Nasa pretende enviar humanos para além de Marte

0
(Foto: rede social Nasa)
Publicidade

Para quem assistia quando criança filmes como Star Wars ficava imaginando se o homem um dia iria conquistar o espaço, estabelecer colônias na Lua ou em Marte, pois é, a Nasa revelou na semana que está estudando estabelecer assentamentos em Marte, criando um anteposto para conquistar o sistema solar.

A agência espacial americana está testando o foguete Artemis, previsto para ser lançado nesta segunda-feira, mas antes precisa resolver o problema de vazamento de combustível causado por um raio, e depois disso iniciarão os planos de longo prazo para levar astronautas ou até mesmo colonizadores para o planeta vermelho e para o esapço sideral.

Antes do voo de teste da missão Artemis – que visa enviar humanos à Lua pela primeira vez em 50 anos – a Nasa disse que a superfície lunar forneceria um banco de testes para Marte e além.

Ao contrário das missões Apollo, desta vez o objetivo de Artemis é ficar e construir uma habitação permanente na Lua, onde as lições podem ser aprendidas antes de se aventurar mais longe.

Falando ao The Telegraph, Bhavya Lal, administrador associado da NASA para tecnologia, política e estratégia, disse que o objetivo de longo prazo era ter uma “presença em todo o sistema solar”.

“A questão é que não paramos quando vamos a Marte”, disse ela. “Quando tivermos assentamentos prósperos em Marte, provavelmente teremos tecnologia suficiente para irmos mais fundo no espaço.

“Acho que a ideia é simplesmente que não vamos parar. Nossas visões estratégicas de longo prazo para ter uma presença sustentada na Lua, Marte e em todo o sistema solar.

“No nível mais alto, nosso objetivo não é apenas visitar um lugar, é trazer o sistema solar e além para nosso reino econômico.”

O voo de teste da Artemis desta semana marca o início de uma nova era de voo espacial em que os humanos estão se aventurando fora do planeta não apenas para visitar outros mundos, mas para ficar e estabelecer bases.

O primeiro lançamento não é tripulado e testará os sistemas do foguete do sistema de lançamento especial (SLS) e da espaçonave Orion, que se separará do SLS e viajará para Marte com a tripulação.

Em 2024, a missão Artemis II levará os astronautas mais longe que já estiveram no espaço, cerca de 4.600 milhas além do lado oculto da Lua. E se tudo correr como planejado, um pouso completo na superfície lunar é esperado em 2025.

Nas primeiras viagens à Lua, os astronautas viajarão a bordo da nave Orion, mas depois disso, a SpaceX foi contratada para criar uma nave capaz de transportar pessoas de um lado para o outro.

Uma nova estação espacial – o portal lunar – também será construída para orbitar a Lua e fornecer um ponto de partida para Marte, bem como uma maneira de acessar a superfície lunar.

Em entrevista no Centro Espacial Kennedy, na Flórida, antes do lançamento, o administrador da Nasa, Bill Nelson, disse que espera enviar os primeiros astronautas a Marte até o final da década de 2030 e disse que o mundo está entrando em uma nova era de exploração espacial.

“Vamos voltar para a Lua, mas vamos viver, aprender e desenvolver novas tecnologias, porque eventualmente iremos a Marte”, disse ele.

“O portal será mais um posto avançado, e pode haver todo tipo de coisas novas que estamos fazendo lá. É possível que uma espaçonave possa ser montada lá em órbita lunar e depois seguir sua jornada para Marte.

“Existe um grande universo para explorar lá fora e este é o próximo passo nesta exploração. Não é mais a geração Apollo, é a geração Artemis, e isso traz todo um novo mundo de descobertas.

“Em 2040, podemos ter detectado vida em outras partes do universo e pensar no que isso fará em nosso anseio por exploração.”

O primeiro voo de teste sem tripulação deveria ser lançado na segunda-feira, mas sofreu vários contratempos técnicos e havia temores de tempestades que podem atrasar a decolagem. No sábado, uma das torres condutoras de raios que flanqueia o foguete Mega Moon foi atingida por um raio.

Um atraso jogaria o lançamento para 3 ou 5 de setembro, mas há temores de que um furacão esteja se formando, o que também poderia destruir essas datas.

Falando em Cabo Canaveral antes do lançamento, o astronauta da NASA Randy Bresnik disse que era crucial voltar à Lua antes de tentar chegar a Marte.

“Há uma necessidade prática de ir à Lua antes de Marte”, disse ele.

“Se você for à loja de artigos esportivos e comprar uma barraca e botas novinhas em folha, você não vai sair para o deserto do Alasca sem ter experimentado essas coisas e ter certeza de que funciona.

“Então você vai a alguns lugares locais um pouco mais perto que talvez possa voltar rapidamente se os cadarços do sapato quebrarem.

“Não teremos a opção de voltar quando formos a Marte e, portanto, fornecer tudo isso, a logística, os habitats e as escotilhas e os trajes e os rovers e as rodas, de antemão na Lua, é vital. .”

Mofo no espaço testará organismos vivos em condições extremas
O fungo “Aspergillus niger” é uma pequena forma de vida resistente.

Comumente conhecido como “mofo preto”, foi encontrado vivendo contente na Estação Espacial Internacional (ISS), aparentemente alheio à falta de gravidade ou aos rigores da radiação espacial.

Seus esporos podem sobreviver a doses de radiação 200 vezes maiores do que aqueles que matariam um ser humano, e agora está sendo lançado ao redor da Lua para ver como ele se sai no espaço profundo.

Os cientistas estão aproveitando o voo de teste Artemis da Nasa para enviar experimentos que podem melhorar sua compreensão de como alguns organismos vivos prosperam em condições extremas.

Os resultados ajudarão a criar culturas à prova de espaço que os humanos precisarão para habitar a Lua e Marte, e fornecerá pistas sobre como aproveitar seu mecanismo de defesa natural para proteger os astronautas da radiação.

Cientistas da Nasa acreditam que o “Aspergillus niger” é protegido da radiação por altos níveis de melanina – a substância química do corpo que produz a pigmentação do cabelo, olhos e pele.

Para descobrir, os pesquisadores estão enviando quatro versões diferentes do fungo. Uma cepa é normal, uma foi geneticamente modificada para remover sua melanina e duas outras foram ajustadas para eliminar os centros de reparo de DNA.

As amostras serão lançadas no módulo de tripulação Orion da Nasa e lançadas no espaço, onde viajarão ao redor da Lua por três semanas antes de cair no Pacífico.

Ye Zhang, do SMD Biological and Physical Sciences Biological Experiment da Nasa, disse ao The Telegraph: ser muito resistente à radiação.

Equipe para testar efeitos de gravidade zero e radiação em plantações
“No espaço profundo, a dose de radiação espacial não é tão alta, mas é constante e causa danos severos às células, e é a isso que os astronautas serão submetidos.

“O Aspergillus niger parece ser capaz de se adaptar a esse ambiente e se pudermos descobrir como ele está fazendo isso, poderemos reproduzir o efeito em algum tipo de medicamento, e isso pode ser realmente crítico para viagens no espaço profundo.”

A equipe também está enviando sementes de plantas e tentará cultivá-las de volta à Terra, para descobrir o efeito da gravidade zero e da radiação nas plantações.

As células de levedura também estão pegando carona, e pesquisadores do Nasa Ames Research Center, na Califórnia, estarão analisando como a radiação afeta seu crescimento.

“A Artemis I nos dá uma oportunidade única de descobrir como o espaço profundo afeta os organismos vivos, muito mais do que poderíamos alcançar no solo”, acrescentou Zhang.

“Podemos olhar para as estratégias que eles estão usando para sobreviver e isso também tem implicações para a saúde humana. Se eles têm maneiras de melhorar a sobrevivência, os humanos também podem aproveitar isso”.

A Orion deve cair com sua carga anterior no início de outubro, e a equipe espera obter resultados dentro de um ano após a devolução das amostras.

As descobertas podem não apenas ajudar em voos espaciais, mas também contra a radiação na Terra, talvez até produzindo compostos que possam ser usados ​​para proteger contra a radiação UV e gama.

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui