20.7 C
Paraná
quinta-feira, julho 25, 2024
spot_img
InícioGeralPesquisadores criaram fazendas marinhas entre turbinas eólicas

Pesquisadores criaram fazendas marinhas entre turbinas eólicas

spot_img

Em um pequeno barco balançando entre imponentes turbinas eólicas offshore no Mar Báltico europeu, pesquisadores se debruçam sobre as águas gélidas para recolher longas linhas estendidas entre os pilares, nas quais mexilhões e algas marinhas estão crescendo.

Esta atividade faz parte de esforços para explorar múltiplos usos de parques eólicos remotos em alto mar, como a produção de frutos do mar frescos.

Gerenciado pela empresa estatal de energia sueca Vattenfall e pela Universidade de Aarhus da Dinamarca, o projeto de quatro anos teve início em 2023 na costa leste dinamarquesa, no maior parque eólico da Escandinávia, Kriegers Flak. Com sua primeira colheita apenas 18 meses depois, já mostra sinais de sucesso inicial.

“Há uma crescente competição por espaço em terra e no mar”, afirmou Annette Bruhn, cientista sênior da Universidade de Aarhus, que lidera o projeto. “Podemos, em uma única área, produzir tanto energia livre de combustíveis fósseis quanto alimentos para uma população crescente.”

Com capacidade de mais de 600 megawatts, Kriegers Flak pode abastecer até 600.000 residências. Suas 72 turbinas fornecem energia limpa para a Dinamarca próxima e para a Alemanha ao sul.

Contudo, os pesquisadores vislumbraram outro potencial dentro da área de 132 quilômetros quadrados do parque.

A água entre suas pás giratórias foi transformada em uma fazenda experimental subaquática de frutos do mar.

Linhas de 400 metros espalhadas entre as turbinas cultivam algas marinhas e mexilhões. As algas marinhas foram recentemente colhidas pela primeira vez.

“Algas marinhas e mexilhões são culturas aquícolas de baixo nível trófico, o que significa que podem ser produzidas sem o uso de fertilizantes. Eles absorvem nutrientes do mar e produzem alimentos saudáveis”, explicou Bruhn.

Modelagens recentes da Universidade de Aarhus sugerem que toneladas de frutos do mar frescos poderiam ser produzidas anualmente utilizando apenas um décimo da área dos parques eólicos da Dinamarca. Os pesquisadores afirmam que os benefícios poderiam ir muito além da produção de alimentos — as culturas de mexilhões e algas marinhas poderiam ajudar a melhorar a qualidade da água e capturar carbono.

“Estas são culturas não alimentadas que vivem do que absorvem do mar, elas capturam emissões em vez de emitir”, disse Bruhn.

Os pesquisadores afirmam que agora é o momento de desenvolver diretrizes para incentivar as empresas a planejar múltiplos usos do oceano, à medida que as nações europeias aumentam massivamente a produção de energia limpa a partir de turbinas eólicas no Mar do Norte.

Em 1991, a Dinamarca tornou-se o primeiro país do mundo a instalar um parque eólico offshore comercial. Mais de 30 anos depois, quase metade da produção de eletricidade dinamarquesa deriva de turbinas eólicas.

Impulsionados pela necessidade de atingir metas climáticas e reduzir a dependência energética da Rússia, nove países europeus, incluindo a Dinamarca, anunciaram no ano passado planos para quadruplicar a produção atual para 120 gigawatts até o final da década, e chegar a 300 gigawatts até 2050.

Tim Wilms, especialista em biociência da Vattenfall, afirmou que há um “enorme potencial”.

“Temos tanta área inexplorada dentro de nossas turbinas que não está sendo usada”, disse ele.

“Em algumas áreas, faz muito sentido combinar com alimentos sustentáveis”, enquanto em outras áreas “podemos considerar a energia solar offshore”.

Um corpo crescente de pesquisas mostra que os parques eólicos offshore podem ter impactos tanto positivos quanto negativos nos ecossistemas locais.

Projetos offshore têm sido criticados pelos danos causados ao fundo do mar durante a construção, poluição sonora e alegações agora desmentidas de que causariam a morte de baleias.

Por outro lado, as grandes pedras colocadas na base das turbinas para prevenir a erosão podem atuar como recifes artificiais, atraindo mais vida marinha e protegendo contra operações de pesca em larga escala.

Wilms disse que levantamentos subaquáticos de parques eólicos mais antigos revelaram estruturas “completamente transformadas”, cobertas por diferentes espécies.

Liselotte Hohwy Stokholm, CEO do think tank dinamarquês Ocean Institute, afirmou que mais “conhecimento sobre desenvolvimentos de uso múltiplo” era necessário para entender como combinar atividades humanas de modo que grandes áreas do oceano pudessem se tornar “áreas estritamente protegidas”.

Atualmente, os esforços estão em escala limitada, mas os pesquisadores esperam em breve levar seu conhecimento para as condições extremas do Mar do Norte, eventualmente escalando para a produção comercial de alimentos.

“É muito vital que façamos isso agora, porque há tantas perguntas que ainda precisamos responder antes de podermos fazer isso da maneira correta”, concluiu Bruhn.

spot_img
spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui