25.1 C
Paraná
quinta-feira, julho 25, 2024
spot_img
InícioCiênciaA consciência é uma ilusão

A consciência é uma ilusão

spot_img

Imagine pensar que a cadeira sob você, composta por inúmeros pequenos partículas, pode possuir uma forma rudimentar de experiência. Ainda mais surpreendente, e se sugerirmos que a flor em vaso ao seu lado, seu cérebro e até mesmo as paredes ao seu redor abrigam sua própria consciência interna? E se, em vez de um palco inerte no qual sua alma assume o papel principal, o mundo inteiro estiver acordado e consciente, assim como você? Esta perspectiva filosófica é conhecida como panpsiquismo — a crença de que tudo, desde o menor átomo até o vasto cosmos, possui alguma forma de mente ou qualidade semelhante à mente.

As raízes do panpsiquismo remontam séculos. Francesco Patrizi, um filósofo italiano do final do século XVI, cunhou o termo combinando palavras gregas que significam “tudo” e “alma” ou “mente”. No entanto, suas origens podem ser rastreadas ainda mais, até os pensadores gregos antigos como Tales e Platão, que ponderaram sobre a essência animada do próprio universo.

O panpsiquismo viu um ressurgimento no século XIX, defendido por figuras influentes como Arthur Schopenhauer e William James. No entanto, com o surgimento do positivismo lógico no século XX, que rejeitava conceitos metafísicos em favor do conhecimento empiricamente verificável, o panpsiquismo caiu em desuso — até os tempos atuais.

Desenvolvimentos modernos em neurociência, psicologia e física quântica reavivaram o interesse pelo panpsiquismo. A teoria da informação integrada da consciência proposta por Giulio Tononi sugere que a consciência pode ser mais disseminada do que se pensava anteriormente, até mesmo existindo em sistemas mais simples. Da mesma forma, o neurocientista Christof Koch criticou visões puramente materialistas da consciência, argumentando que a matéria organizada pode dar origem à experiência consciente.

Notavelmente, nem todos os filósofos concordam com o ressurgimento do panpsiquismo. Keith Frankish argumenta a favor de uma visão que ele denomina illusionismo, sugerindo que a consciência, especialmente no sentido de uma experiência subjetiva interna, pode não existir fora de nossa percepção dela.

Em contraste, o biólogo Rupert Sheldrake afirma firmemente uma consciência mais ampla, sugerindo que não apenas os humanos, mas também corpos celestes como o sol podem possuir consciência através de campos eletromagnéticos rítmicos.

O debate sobre a consciência — se é exclusiva dos cérebros humanos ou uma qualidade pervasiva do próprio universo — é um dos mistérios mais profundos do entendimento humano. O panpsiquismo nos desafia a reconsiderar nosso lugar no cosmos e a natureza da própria consciência, provocando questões profundas sobre a essência da existência e nossa relação com o mundo ao nosso redor.

spot_img
spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui