15.9 C
Paraná
domingo, junho 23, 2024
InícioEconomiaBitcoin pode continuar caindo. Há motivos para ser otimista.

Bitcoin pode continuar caindo. Há motivos para ser otimista.

spot_img

Bitcoin e outras criptomoedas estavam em queda na terça-feira em meio a uma venda mais ampla de ativos sensíveis ao risco, com a imagem para criptos indicando mais quedas podem estar à frente.

Mas as entradas de investidores em fundos de ativos digitais aumentaram recentemente, sinalizando que poderá haver uma virada crucial no sentimento dos investidores. Informações do portal Market Watch.

O preço do Bitcoin caiu 4% nas últimas 24 horas, para US$ 21.000. A maior criptomoeda não conseguiu consolidar os ganhos de um rali recente que atingiu US$ 24.000 na semana passada, porém permanece acima do fundo de uma venda dramática em junho, que o levou abaixo de US$ 18.000.

“O Bitcoin ficou brevemente acima de sua média móvel de 50 dias na semana passada antes de recuar em reação às condições de sobrecompra de curto prazo”, escreveu Katie Stockton, sócia-gerente da empresa de pesquisa técnica Fairlead Strategies, em nota. “A tendência primária no Bitcoin é menor, observando a média móvel de 200 dias com inclinação descendente, e o impulso negativo de longo prazo continua crescendo.”

Stockton observou que a análise técnica indicou que o Bitcoin parecia sobrecomprado no curto prazo e corria o risco de testar os principais níveis de suporte, mas que provavelmente continuaria encontrando suporte de longo prazo na faixa de preço de US$ 18.300 a US$ 19.500. “Se esse nível for retirado, nossa atenção se voltará para o suporte secundário [em torno de] US$ 13.900”, disse o analista.

Além do Bitcoin, o Ether – o segundo maior token – caiu 8%, para US$ 1.400. Altcoins, ou criptos menores, foram igualmente fracos, com Solana caindo 8% e Cardano 5% menor. Memecoins – inicialmente destinados a piadas na internet – não foram poupados, já que Dogecoin e Shiba Inu perderam 4% e 7%, respectivamente.

As criptomoedas provavelmente estavam sendo arrastadas por sua conexão com ações e, especialmente, ações de tecnologia. Embora o Bitcoin e seus pares devam teoricamente negociar independentemente dos mercados tradicionais, eles se mostraram amplamente correlacionados a outros ativos sensíveis ao risco, como ações, seguindo o S&P 500 e o Nasdaq em um mercado de baixa este ano.

É provável que seja uma semana turbulenta para os ativos digitais. A inflação é a principal preocupação dos investidores, e especialmente como os planos do Federal Reserve para combatê-la com riscos de política monetária mais apertados estimulando uma desaceleração econômica.

O Fed inicia uma reunião de política de dois dias na terça-feira, que deve culminar em outra alta de 75 pontos-base na quarta-feira. Em junho, o banco central elevou as taxas em 75 pontos base, ou três quartos de ponto percentual, pela primeira vez desde 1994. O temor é que continuar aumentando agressivamente os custos dos empréstimos possa iniciar uma recessão, um ambiente que seria muito cruel com apostas arriscadas como Bitcoin.

As ações estavam caindo na terça-feira, com os temores de recessão voltando à tona. Os ganhos corporativos também estavam em foco, com resultados no dia seguinte e nos próximos dias que provavelmente adicionarão mais volatilidade ao Bitcoin. Dada a correlação dos ativos digitais com as ações de tecnologia, os relatórios de lucros dos gigantes da tecnologia Alphabet (ticker: GOOGL) e Microsoft (MSFT) provavelmente terão um impacto, assim como os resultados do Meta (META) na quarta-feira antes da Apple (AAPL) e Amazon ( AMZN) quinta-feira.

Mas é improvável que as ações sejam a única coisa que pesa sobre as criptomoedas. Uma liquidação este ano, que derrubou dois terços da capitalização de mercado de ativos digitais de quase US$ 3 trilhões desde novembro de 2021, mostrou que as rachaduras nas criptomoedas podem ser igualmente prejudiciais. O pior trimestre do Bitcoin em mais de 10 anos foi marcado pelo colapso da stablecoin Terra e o fracasso do outrora promissor fundo de hedge Three Arrows Capital.

A principal exchange de criptomoedas Coinbase Global (COIN) está enfrentando uma investigação da Securities and Exchange Commission sobre se os tokens listados eram títulos não registrados, informou a Bloomberg na terça-feira. A questão de saber se os tokens devem ser classificados como moedas, commodities ou valores mobiliários paira sobre o setor em meio à crescente regulamentação. O Barron’s informou na segunda-feira que a Coinbase e a SEC pareciam estar se enfrentando em um conflito sobre o assunto.

No entanto, os dados da gestora de ativos digitais CoinShares (CS.Sweden) revelaram algum motivo para otimismo. Dados revisados ​​de fluxo de fundos de duas semanas atrás revelam entradas de US$ 343 milhões em produtos de investimento em ativos digitais, de acordo com a CoinShares, que representa a maior semana de entradas desde novembro de 2021, quando o Bitcoin estava em alta. Dados revisados ​​do mesmo período mostraram US$ 206 milhões em entradas para fundos Bitcoin, o maior desde maio de 2022, quando o Bitcoin foi negociado em torno de US$ 40.000.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui