InícioLitoralBoletim de balneabilidade mostra que a população pode aproveitar...

Boletim de balneabilidade mostra que a população pode aproveitar as praias

spot_img

O primeiro boletim de balneabilidade da temporada de verão 2023/2024, divulgado pelo Instituto Água e Terra (IAT), mostra que a população pode aproveitar as praias do Litoral e, também, as prainhas de água doce das costas Oeste e Noroeste. 

Foram considerados próprios para banho 64 dos pontos monitorados. Porém, dos 76 locais verificados semanalmente, 10 são historicamente impróprios . A análise laboratorial é feita em localidades do Litoral (59 pontos) e em prainhas de água doce das costas Oeste e Norte do Paraná (17 áreas).

Na faixa litorânea, os pontos impróprios são concentrados na foz dos rios que cortam a região (10), locais de drenagem das áreas urbanas que nunca são indicados para banhos ou práticas esportivas, como a foz do canal Caiobá, em Matinhos, e a foz do Rio Olho D’Água, em Pontal do Paraná.

Além deles, receberam a bandeira vermelha um ponto à direita do trapiche de Encantadas, na Ilha do Mel, em Paranaguá, e a Ponta da Pita, em Antonina.

Do outro lado do Estado, nas costas Oeste e Norte, as 17 áreas foram autorizadas para banho e recreação, nos municípios de Foz do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu, Itaipulândia, Missal, Santa Helena, Entre Rios do Oeste, Marechal Cândido Rondon e Primeiro de Maio.

Os boletins de balneabilidade são disponibilizados toda sexta-feira pelo IAT, durante a temporada de verão, período em que há maior fluxo de usuários nos locais monitorados. As amostras de água são coletadas nas segundas-feiras e analisadas durante a semana no laboratório do instituto, em Curitiba.

Ao longo desta temporada de verão, serão emitidos oito boletins, até o dia 9 de fevereiro de 2023, na semana do Carnaval. A ação é parte do projeto do Governo do Estado Verão Maior Paraná para a temporada de verão.

O monitoramento das águas verifica se há contaminação por esgoto sanitário clandestino e indica a possibilidade de uso dos espaços públicos para atividades de lazer, como natação, mergulho e esqui.

Para isso, utiliza-se o indicador Escherichia coli, uma bactéria existente no intestino dos seres humanos e dos animais de sangue quente. Quanto maior o número dessa bactéria na água, maior será a quantidade de esgoto e, consequentemente, maior a probabilidade da existência de organismos patogênicos (causadores de doenças).

As doenças mais comuns são gastroenterite, diarreia, doenças de pele e infecções nos olhos, ouvidos e garganta. Outras mais graves também podem ser transmitidas por meio da água, como hepatite A, cólera e febre tifoide.

A avaliação é feita seguindo determinações da Resolução do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) nº 274/2000.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui