15.9 C
Paraná
domingo, junho 23, 2024
InícioDestaquesCivilizações alienígenas podem viver em nossa galáxia, diz cientista

Civilizações alienígenas podem viver em nossa galáxia, diz cientista

spot_img

A maioria das pessoas concorda que deveríamos estar monitorando as ondas de rádio, por assim dizer, para procurar outras civilizações no universo – mas as pessoas discordam fortemente sobre se devemos enviar nossas próprias mensagens para lá. Se uma civilização é maliciosa, queremos que eles saibam que estamos aqui? Estamos acenando para nossos próprios carrascos?

Em um novo artigo de pré-impressão publicado no servidor arXiv em maio (o que significa que ainda não foi revisado por pares), o pesquisador Alberto Caballero, Ph.D. estudante da Universidade de Vigo, na Espanha, explora um assunto realmente espinhoso dentro da comunidade de pessoas que trabalham com o SETI, a Busca por Inteligência Extraterrestre. O principal trabalho do SETI é ouvir o miasma rodopiante do espaço, caso detectemos sinais de vida em outro lugar ou mesmo recebamos uma transmissão enviada por outra civilização.

“Active SETI (Active Search for Extra-Terrestrial Intelligence), às vezes referido como METI (Messaging to Extra-Terrestrial Intelligence), é uma forma de SETI que tem sido pouco praticada desde que a primeira mensagem de rádio interestelar, a Mensagem de Arecibo, foi enviada em 1974 para o aglomerado globular M13”, explica Caballero no artigo. O SETI ativo continua sendo um assunto delicado porque os detratores acreditam que estamos chamando a atenção de alienígenas totalmente desconhecidos e possivelmente maliciosos.

Muita coisa está em jogo quando se trata da busca por alienígenas em geral. O Paradoxo de Fermi é uma ideia que resume melhor: como pode haver planetas infinitos em nosso universo com uma possibilidade diferente de zero de vida, mas nunca vimos um vislumbre ou um sussurro de outra civilização em qualquer lugar? Mas, é claro, isso pressupõe que a outra civilização será avançada o suficiente para se comunicar ou viajar no espaço. Pode haver infinitos planetas com formas de vida que ainda estão no estágio de “escória de lago grudento”, começando a desenvolver células oculares fotorreativas, por exemplo. Pode levar um bilhão de anos antes que eles comecem a andar eretos e twittar gifs de reação.

Para estimar a probabilidade de invasão de uma civilização próxima, Caballero começa com uma premissa interessante: qual a probabilidade de invadirmos outra civilização que descobrirmos? Para calcular isso, ele compila o número impressionante de vezes que as nações da Terra invadiram umas às outras como atos de guerra. Isso, diz ele, é uma nova metodologia para calcular a probabilidade de uma civilização alienígena maliciosa.

Ele também observa que o consumo de energia na Terra aumentou à medida que a probabilidade de invasão diminuiu: “Parece haver uma correlação indireta entre a probabilidade humana de invasão e o desenvolvimento do mundo com base no consumo de energia. Quanto mais desenvolvida a humanidade, menos prováveis ​​são as invasões”, diz Caballero.

E quando combinado com estimativas bem estabelecidas da probabilidade de vida inteligente em outras partes de nossa galáxia, podemos calcular uma probabilidade pura. Esse número é muito baixo – oito casas decimais de um por cento – com um número fixo de civilizações maliciosas de apenas 0,22. Espero que seja um quinto que não tenha acesso aos seus sistemas de armas planetárias locais.

Caballero disse à Vice que não incluiu um número no artigo, que representa o número total de civilizações maliciosas que ainda não têm voos espaciais intergalácticos. De acordo com seus cálculos, provavelmente existem 4,42 dessas civilizações. Mas isso traz algumas questões filosóficas – se uma árvore maliciosa cai em uma floresta, mas ninguém pode ouvi-la, ela faz um som intergaláctico? Afinal, um criminoso culpado deve ter meios, motivo e oportunidade. Com apenas meios e motivos, você está enviando tweets maldosos para a Terra.

Caballero escreve que, em última análise, ele acredita que a probabilidade de uma civilização alienígena maliciosa é menor ainda do que a possibilidade de a Terra ser atingida por um asteróide chamado “assassino de planetas”. “Poderíamos enviar até 18.000 mensagens interestelares para diferentes exoplanetas e a probabilidade de invasão por uma civilização maliciosa seria a mesma de uma colisão da Terra com um asteroide de catástrofe global”, conclui.

Um artigo como este é construído sobre uma série de estimativas e decisões com as quais muitos outros especialistas podem não concordar, mas isso é parte do ponto. Para aqueles que discutem sobre o papel do SETI versus o SETI “ativo”, o debate tem sido muito abstrato devido à natureza desconhecida de todas as quantidades envolvidas. Caballero colocou alguns desses números no papel e os usou para chegar a algum tipo de resposta – algo que as pessoas agora podem discutir e repetir em um estudo mais aprofundado.

Para alguns, ver a probabilidade muito pequena de qualquer tipo de vida complexa, muito menos vida maliciosa, pode fazer os esforços do SETI parecerem mais otimistas do que nunca.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui