Está ficando mais difícil para a vida na atmosfera de Vênus existir

0
(Foto: JAXA/ISAS/DARTS/Kevin M. Gill)
Publicidade

Exceto talvez não nas nuvens de Vênus.

Claro, nosso planeta irmão faz a visão de Dante do Inferno parecer um paraíso tropical. Quero dizer, uma temperatura de superfície impulsionada por uma estufa quente o suficiente para derreter chumbo, uma pressão atmosférica esmagadora igual a um quilômetro sob o oceano e nuvens feitas de ácido sulfúrico; não está claro para mim o que o mataria primeiro se você tentasse dar um passeio em Vênus, mas tenho certeza de que não demoraria muito.

Apesar disso, tem havido algum pensamento sobre a presença de vida, ou mais precisamente, acima do Inferno. A uma altura de 50 quilômetros acima da superfície de Vênus, as temperaturas esfriam para surpreendentemente 20-30°C, como a da Terra. A química lá é muito diferente da nossa, mas pelo menos em nosso planeta a vida é notoriamente boa em se adaptar. Se evoluiu em tais condições venusianas, ainda poderia haver biologia acontecendo lá hoje? As informações são do portalSyfy.

Nova vida (por assim dizer) foi insuflada neste debate quando a evidência de fosfina foi anunciada em 2020 – que na Terra é criada por bactérias anaeróbicas – mas mais análises lançaram sérias dúvidas de que a detecção fosse real. Ainda assim, a ideia de bichinhos flutuando acima da superfície de Vênus e comendo quaisquer substâncias químicas estranhas que possam encontrar lá ainda é seriamente debatida.

Isso é parcialmente inspirado por algumas esquisitices na atmosfera lá. Por exemplo, abaixo da camada de nuvens há uma abundância de dióxido de enxofre, ou SO2. Mas acima das nuvens, começando cerca de 75 km acima da superfície, os níveis de SO2 caem radicalmente – por um fator de cerca de 10.000! – e não está claro por quê. Várias soluções foram propostas olhando para a química e outras condições físicas da atmosfera, mas nenhuma foi capaz de responder a pergunta completamente.

Portanto, não é muito bobo pensar que talvez, talvez a vida tenha realmente encontrado um caminho. Uma ideia proposta é que existem bactérias ou alguma outra forma de vida que basicamente respira SO2 e o usa para produzir energia da mesma forma que usamos o oxigênio atmosférico na Terra. Essa vida venusiana* estaria em algum lugar na camada de nuvens, alimentando-se do abundante enxofre abaixo, impedindo-o de atingir a atmosfera superior.

É um pensamento interessante e que pode ser examinado cientificamente. Temos uma ideia decente das condições lá, incluindo química, fontes de energia como a luz solar, mudança de temperatura com a altura e assim por diante. Usando tudo isso, é possível criar modelos de que tipo de reações químicas a vida poderia usar para metabolizar SO2 que poderia explicar sua escassez na atmosfera superior e ver se existem outros efeitos mensuráveis.

E acontece que existem! Uma equipe de cientistas examinou três possíveis caminhos químicos propostos para a vida, investigando como eles seriam e se produziam subprodutos que poderiam ser detectados [link para o artigo].

Por exemplo, uma maneira é a luz do sol reagir com sulfeto de hidrogênio – H2S, o produto químico que faz com que os ovos podres cheirem tão mal – e dióxido de carbono para produzir água, enxofre e moléculas orgânicas como glicose. A bactéria então usa SO2 para metabolizar a glicose, que cria dióxido de carbono, água e enxofre.

No entanto, para que isso seja útil para a vida, a quantidade de H2S necessária não corresponde ao que é realmente visto na atmosfera venusiana. Simplesmente não há o suficiente. Outro problema é que a luz solar é muito boa em quebrar as moléculas de H2S, tornando difícil para a vida usá-la para produzir energia.

Eles também encontraram problemas semelhantes com os outros dois processos. O que é necessário simplesmente não corresponde às observações que temos do planeta.

Então isso significa que Vênus não tem vida? Não necessariamente. Por um lado, não temos uma compreensão precisa e detalhada da abundância de produtos químicos na atmosfera; naves espaciais em órbita não podem fazer muito, e as sondas que desceram às brumas do inferno só coletam amostras de um ponto em particular; imagine cair no meio do deserto do Saara e pensar que a Terra inteira é tão seca.

Também é possível que esses processos sejam mais complicados do que o proposto aqui, mas, novamente, isso provavelmente dependeria da compreensão detalhada de toda a química realmente acontecendo, o que não temos.

Este estudo não é a última palavra sobre essa ideia; é realmente apenas um primeiro passo para mostrar que, como nosso entendimento existe agora, essas reações não funcionarão. Ainda há muito que precisamos descobrir sobre Vênus.

Felizmente, a NASA quer construir e enviar duas missões a Vênus chamadas DAVINCI+ e VERITAS, que, entre muitas outras coisas, examinariam a química peculiar na atmosfera do planeta. Espera-se que sejam lançados por volta de 2030, para que possamos obter muito mais dados em um futuro não muito distante. E, enquanto isso, os cientistas continuarão a brincar com o que sabemos para ver se eles podem apresentar alguma ideia que possa ser testada por dados de naves espaciais.

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui