InícioSaúdeEstudo mostra quais raças de cães são mais propensas...

Estudo mostra quais raças de cães são mais propensas ao câncer

spot_img

Pesquisadores descobriram quais raças de cães têm maior probabilidade de desenvolver câncer, e os resultados contradizem a ideia de que os cães maiores têm um risco maior da doença. Acontece que raças grandes – mas não as maiores – geralmente têm o maior risco de câncer, de acordo com o estudo, publicado na terça-feira. Os pesquisadores buscaram entender como o câncer se inicia, como é iniciado e fazer perguntas específicas sobre como essa origem está relacionada às raças de cães, disse Leonard Nunney, um biólogo evolutivo.

Nos humanos, o padrão mostra que, à medida que o corpo fica maior, espera-se que seja mais propenso ao câncer, disse Nunney. Mas essa teoria não se traduz para o melhor amigo do homem, mostra a pesquisa. “Você tem coisas que variam de um chihuahua até um mastim, ou um grande dinamarquês”, disse ele. “Então há uma enorme variedade de tamanhos.” Como os cães grandes geralmente morrem muito mais jovens, na verdade, têm menos risco de desenvolver câncer do que cães de porte médio, disse Lunney. “Isso é simplesmente porque eles estão morrendo mais jovens”, acrescentou. Algumas das raças mais propensas a desenvolver câncer são retrievers de pelo liso, cães da montanha de Bernese e os Westies, disse Lunney. Retriever de pelo liso costuma ter um tipo de sarcoma, um câncer raro que se desenvolve nos ossos e tecidos moles, com alta frequência, ele acrescentou. A maioria dos terriers, especialmente o terrier escocês, tem maior probabilidade de desenvolver câncer do que o esperado, dadas as suas dimensões, disse Lunney. Os terriers têm uma maior incidência de câncer de bexiga, disse ele.

A boa notícia é que não há muitas raças muito propensas ao câncer, disse Lunney. Os resultados do estudo evidenciam o número de mutações genéticas que causam câncer em cães e mostram que, embora a endogamia na ancestralidade de uma raça reduza sua expectativa de vida, ela não aumenta o risco geral de câncer, afirmaram os pesquisadores. O modelo usado no estudo também pode ser aplicado no futuro para determinar se as raças estão começando a ter mais de um tipo específico de câncer, disse Lunney. “Os cães são um modelo extremamente bom para entender as mudanças genéticas que podem levar a uma maior suscetibilidade a cânceres específicos”, disse ele.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui