14.6 C
Paraná
sexta-feira, julho 12, 2024
spot_img
InícioTecnologiaLacen finaliza o ano com nova tecnologia de sequenciamento...

Lacen finaliza o ano com nova tecnologia de sequenciamento genético

spot_img

Um dos trabalhos com maior destaque das equipes de pesquisa do Laboratório Central do Estado (Lacen) em 2023 foi a ampliação da tecnologia de sequenciamento genético de última geração (Next Generation Sequencing – NGS). Esse tipo de pesquisa era realizado apenas para o SARS-CoV2 (Covid-19), e desde o início do ano tem sido aplicada para arboviroses, vírus, bactérias multirresistentes, tuberculose multirresistente e estreptococos (bactérias da garganta e pele).

O sequenciamento, importante para identificação das cepas circulantes e prevenção de casos, ajuda na detecção de doenças que podem afetar não somente o indivíduo, mas a saúde da população em geral.

Foram 840 sequenciamentos genéticos, dentre eles o SARS-CoV-2, os vírus da dengue e da chikungunya, vírus monkeypox, bactérias multirresistentes, cepas de tuberculose multirresistente, bactérias atípicas e estreptococos que causam doenças invasivas, como o Streptococcus pyogenes – bactéria patogênica altamente infecciosa e frequentemente responsável por faringites.

O sequenciamento de nova geração (NGS, do inglês Next Generation Sequencing), trabalha com fragmentos do DNA, permitindo acompanhar as linhagens e mutações genéticas virais, entendendo a evolução molecular e os padrões epidemiológicos dos vírus e bactérias.

Esta tecnologia permite também que o Lacen faça a pesquisa de metagenômica, uma abordagem baseada na análise genômica de uma população de microrganismos que ajuda a identificar e avaliar comunidades microbianas em diferentes ecossistemas.

Na prática, esse método sequencia todos os patógenos que podem estar envolvidos em um óbito não esclarecido, por exemplo. Em 2023 foram realizados dois estudos de metagenômica em conjunto com a Fiocruz. A análise está em plano de implantação para 2024.

“A pesquisa e as novas tecnologias, principalmente na área da saúde pública, trazem grandes e importantes avanços no combate às doenças no território.  Os resultados e inovações produzidas no Lacen são referência nacional, como sendo uma unidade do Governo do Estado pioneiro em muitas metodologias para proporcionar cobertura epidemiológica eficaz”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Desde janeiro de 2023, a metodologia de RT-qPCR (diagnóstico laboratorial, feito por biologia molecular) para vigilância das arboviroses Mayraro e Oropouche já estão disponíveis para a população paranaense, não dependendo de envio para Laboratórios de Referência, como a Fiocruz, o que agiliza a emissão dos resultados.

O Lacen Paraná foi o primeiro laboratório estadual do País a fazer este exame in loco, e já foram realizadas 13.824 amostras para pesquisa de arboviroses até o mês de novembro.

O Lacen também desenvolve o importante trabalho de capacitação e treinamento dos laboratórios da rede que atende o Sistema Único de Saúde no Estado. Neste ano foram 25 capacitações para os técnicos envolvidos em vários diagnósticos. 

Esse trabalho resultou em diversas supervisões, visitas e treinamentos, principalmente no diagnóstico das tuberculoses, hanseníase, malária, esporotricose animal, raiva, resistência antimicrobiana, arboviroses, análises de água para consumo humano e Sistema Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL).

“A missão do Lacen sempre foi de estar em constante aprimoração, por este motivo somos considerados um laboratório modelo e referência para diversos agravos”, afirmou a diretora técnica do Lacen, Lavinia Arend.

A unidade fez neste ano 526.760 testes e diagnósticos epidemiológicos e ambientais para vírus respiratórios, dengue, zikavírus, chikungunya, febre amarela, sarampo e doenças sexualmente transmissíveis, entre outros casos. Em 2022 foram mais de 604 mil exames.

Fundado em 1894 pelo Dr. Trajano Reis, o Lacen completa 129 anos de história neste dia 21 de dezembro, o segundo laboratório mais antigo do Brasil. Desde 2019, a unidade teve um investimento de aproximadamente R$ 9 milhões em equipamentos, e, em 2023 houve incremento desses itens laboratoriais no valor de R$ 922 mil.

Para Célia Fagundes da Cruz, diretora do Lacen, o trabalho é permanente e focado na excelência dos serviços ofertados aos paranaenses. “Fazemos parte da Vigilância em Saúde, tendo como papel a Vigilância Laboratorial, sempre buscando oferecer novas tecnologias e inovações para que a nossa população esteja certa de ter o melhor do seu Laboratório de Referência”, acrescentou.

spot_img
spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui