17.5 C
Paraná
quarta-feira, julho 17, 2024
spot_img
InícioCiênciaOs engenheiros poderiam ter criado vida na Terra?

Os engenheiros poderiam ter criado vida na Terra?

spot_img

Ridley Scott

Desde que fomos inteligentes o suficiente para fazer perguntas e considerar nossa existência, nos perguntamos de onde viemos. A descoberta da evolução pela seleção natural nos levou a uma resposta ao explicar como a vida muda ao longo do tempo, mas não pode abordar a origem da vida em si.

Por enquanto, as únicas respostas que temos para essa pergunta final vêm na forma de nossa ficção. No filme de terror de ficção científica de 2012 Prometheus, dirigido por Ridley Scott, a tripulação do navio titular navega pelos mares cósmicos até a lua alienígena LV-223 em busca das origens da humanidade.

Lá, eles encontram os restos de uma espécie alienígena conhecida como Engenheiros que semearam a vida humana no passado distante. A viagem consegue encontrar os primórdios da humanidade, mas também pode ter desencadeado os eventos que acabarão com nossa espécie. A noção de vida na Terra sendo semeada de outro lugar no cosmos pode soar como ficção científica, mas há algum mérito na ideia? Vamos começar do início, por assim dizer.

ABIOGÊNESE
Existem, em linhas gerais, duas hipóteses principais sobre a origem da vida. O primeiro é o da abiogênese (latim moderno para geração espontânea), que é o processo pelo qual a vida poderia ter surgido a partir de matéria não viva anterior.

Não há dúvida de que nossos corpos são feitos e sustentados por processos químicos complexos, mas há algo inatamente diferente até mesmo em um simples organismo unicelular e uma molécula não viva – para não falar da vida multicelular mais complexa. Ambas as coisas são química no trabalho, mas uma é significativamente mais complicada e muito mais difícil de entender.

A ideia central por trás da abiogênese é que sistemas químicos cada vez mais complexos ao longo do tempo podem eventualmente se tornar capazes de usar energia para fazer trabalho e fazer coisas, até cópias de si mesmos. Uma molécula, por mais simples que seja, que possa usar energia, mover-se em seu ambiente e se reproduzir, atende às definições de vida mais amplamente aceitas. Como essa mudança de paradigma da não-vida para a vida pode ter acontecido permanece uma questão em aberto.

Animais e vida floral do período Cambriano há cerca de 500 milhões de anos da formação Burgess Shale no Canadá. Visíveis são Anomalocaris, Opabinia, trilobites, estromatólitos e anêmonas.

Algumas evidências em apoio à abiogênese é o conhecimento de que os componentes necessários da vida estavam presentes na Terra primitiva.

Em 1952, Stanley Miller e Harold Urey realizaram o que ficaria conhecido como o experimento de Miller-Urey. Eles tentaram recriar as condições da Terra primitiva para descobrir se os precursores químicos da vida poderiam surgir naquele ambiente.

Para simular o ambiente de uma Terra primordial, eles adicionaram metano, amônia e hidrogênio à água e, em seguida, deram uma faísca para simular a energia de um raio. Suas observações posteriores confirmaram a presença de aminoácidos e nucleobases, fornecendo mais evidências de que as condições da Terra primitiva poderiam ter sido adequadas para o surgimento espontâneo da vida. Experimentos posteriores, repetindo o processo, também descobriram que os minerais dos próprios copos de vidro podem ter facilitado as reações e que esses minerais estariam presentes nas rochas e disponíveis para a química inicial. Em suma, todos os ingredientes necessários estavam presentes, a única questão é se eles encontraram ou não uma maneira de se montar da maneira certa. Até o momento, ainda não temos certeza. Claro, uma origem diferente também é possível.

PANPERMIA
Agora chegamos à segunda hipótese sobre a origem da vida na Terra, aquela que estabeleceu as bases para Prometeu. É possível que a vida não tenha surgido na Terra, mas tenha sido entregue ao nosso planeta de outro lugar. Para ser claro, a hipótese não exige necessariamente que alguma inteligência alienígena tenha sido responsável por essa entrega – o acaso, em vez das ações deliberadas dos Engenheiros, poderia fazer o truque.

Essencialmente, há evidências de que alguns dos mesmos processos que podem ter acontecido na Terra primitiva (abiogênese) podem de fato estar acontecendo no espaço interplanetário. De fato, algumas pesquisas sugerem que o espaço pode ser um lugar melhor para construir biomoléculas do que o ambiente que Miller e Urey replicaram em seu experimento. As nuvens moleculares onde nascem estrelas e planetas também podem estar construindo peptídeos e outras moléculas orgânicas.

Quanto mais olhamos para o nosso universo, mais descobrimos que a química aparentemente quer se organizar de maneiras que têm o potencial de levar à vida. Até agora, é claro, só encontramos vida em um lugar e você está olhando para ela. No entanto, não parece tão difícil que, uma vez que a vida surja em um lugar, ela possa se espalhar pelo menos para seus vizinhos próximos. Pode não ser irracional se perguntar se a vida que você vê ao seu redor realmente começou em Marte ou em uma das luas de Júpiter e chegou à Terra por meio de uma entrega celestial de um impacto de asteroide.

Micróbios alienígenas no espaço acima de Marte, ilustração conceitual

Essa viagem não seria a mais confortável, mas experimentos mostraram que alguns micróbios se saem bem no vácuo do espaço, mesmo por longos períodos de tempo. De fato, os micróbios expostos ao espaço por vários anos fora da Estação Espacial Internacional sobreviveram bem.

Sobreviver à expulsão de seu mundo natal e à reentrada de fogo na Terra pode ser uma história diferente, mas se há uma coisa que aprendemos é que a vida quer continuar vivendo. Se for possível, ele… uh… encontra um caminho. De qualquer forma, tudo se resume à mesma coisa. A panspermia apenas chuta a lata biológica no caminho. A vida ainda tinha que emergir da não-vida em algum lugar. Talvez um dia descubramos como isso aconteceu.

spot_img
spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui