15.1 C
Paraná
sábado, julho 13, 2024
spot_img
InícioCiênciaReligiosos estão nervosos com a NASA por levar mortos...

Religiosos estão nervosos com a NASA por levar mortos para Lua

spot_img

A decisão de enviar restos humanos juntamente com instrumentos científicos na sonda lunar comercial inaugural, Peregrine 1, em 8 de janeiro de 2024, gerou controvérsia.

Buu Nygren, presidente da Nação Navajo, objetou, afirmando que “a lua ocupa um lugar sagrado” nas tradições navajo e de outras tribos e não deve ser profanada dessa maneira. O interior do módulo de aterrissagem seria uma espécie de “sepultura espacial” para os restos mortais de cerca de 70 pessoas. Cada uma das famílias pagou mais de R$ 50.000 por um memorial permanente na Lua.

Como professores de estudos religiosos que lecionaram cursos sobre rituais de morte, sabemos que os rituais de morte nas religiões do mundo foram moldados por milênios de tradição e prática. Embora essas cinzas não tenham chegado à Lua devido a um vazamento de propelente, sua presença no módulo de aterrissagem levantou algumas questões religiosas importantes: Crenças sobre a natureza poluente do cadáver, a aceitabilidade da cremação e a sacralidade da Lua variam entre as tradições.

No judaísmo antigo, certas atividades eram consideradas poluentes, tornando uma pessoa incapaz de participar de orações e sacrifícios de animais oferecidos exclusivamente no Templo em Jerusalém. Havia muitas maneiras pelas quais alguém poderia se tornar ritualmente impuro, e cada nível de poluição era purificado por um ritual de purificação apropriado. O contato direto com um cadáver humano era considerado a forma mais intensa de poluição; até mesmo tocar em uma pessoa ou objeto que tivesse estado em contato com um cadáver causaria um nível menor de contaminação.

Depois que os romanos destruíram o Templo em 70 d.C., a prática religiosa judaica mudou drasticamente, incluindo regras sobre purificação. Hoje em dia, após um enterro ou visita a um cemitério, muitos judeus lavam as mãos para afastar espíritos ou energias negativas.

No judaísmo, os corpos dos mortos devem ser enterrados ou sepultados na terra. A cremação de corpos humanos, rejeitada por séculos, tornou-se mais popular, mas ainda é uma opção controversa devido à tradição mais antiga de respeito ao corpo como criação de Deus – para ser enterrado intacto e sem mutilação.

Antes do cristianismo se desenvolver no primeiro século d.C., a religião civil romana enfatizava a necessidade de separar os vivos dos mortos. Cadáveres ou restos cremados eram enterrados em lugares de sepultamento fora das cidades e vilas – na necrópole, literalmente uma cidade dos mortos. Como no judaísmo, qualquer visitante precisava de purificação depois.

Como monoteístas, os cristãos rejeitaram a crença nos deuses e deusas gregos e romanos, incluindo a deusa da Lua chamada Selene ou Luna. Eles também se recusaram a participar de rituais religiosos estatais romanos ou atividades baseadas no paganismo politeísta. Décadas depois, após o cristianismo se tornar a religião imperial oficial, os cristãos transferiram os restos de pessoas que consideravam santas para dentro de cidades e vilas para serem reenterrados com mais facilidade para veneração dentro de igrejas.

Durante a Idade Média, os cristãos comuns desejavam ser enterrados perto desses santos em antecipação à ressurreição do corpo na segunda vinda de Cristo. Os cemitérios ao redor da igreja foram consagrados como “terra sagrada”. Dessa forma, os cristãos acreditavam que os falecidos poderiam continuar a se beneficiar da santidade dos santos. Seus corpos eram considerados fontes de bênção espiritual, e não causas de poluição espiritual.

Hoje em dia, a cremação é considerada aceitável, embora a Igreja Católica exija que as cinzas cremadas não sejam espalhadas ou divididas, mas sim enterradas ou colocadas em outro lugar nos cemitérios.

Ao contrário de algumas outras religiões, nem o judaísmo nem o cristianismo consideram a Lua divina ou sagrada. Como parte da criação de Deus, ela desempenha um papel na definição dos calendários religiosos. Na escrita espiritual judaica e cristã, a Lua é usada como uma analogia espiritual: no judaísmo, da majestade de Deus, e no cristianismo, de Cristo e da igreja.

A cremação é estritamente proibida no Islã. Após a morte, o falecido é ritualmente lavado, envolto em mortalhas e levado para ser enterrado em um cemitério o mais rápido possível.

Após uma oração fúnebre, liderada por um imã ou membro sênior da comunidade, o falecido é enterrado – geralmente sem caixão – com a cabeça orientada para a cidade sagrada de Meca. Diz-se que a alma do falecido visita seus entes queridos no sétimo e 40º dias após a morte.

O Alcorão adverte contra a adoração da Lua, como era feito na cultura pré-islâmica, porque a adoração é devida apenas a Deus.

Em setembro de 2007, quando o primeiro astronauta muçulmano da Malásia se preparava para ir ao espaço, a Agência Espacial Nacional da Malásia publicou diretrizes religiosas sobre rituais de sepultamento para muçulmanos no espaço. Essas diretrizes diziam que, se não fosse possível trazer o corpo de volta, ele seria “enterrado” no espaço após uma breve cerimônia. E se não houvesse água disponível no espaço para os rituais cerimoniais, então “poeira sagrada” deveria ser varrida sobre o rosto e as mãos “mesmo que não houvesse poeira” na estação espacial.

O hinduísmo é uma religião diversificada, e por isso as práticas funerárias muitas vezes variam de acordo com a cultura e o contexto. Mais comumente, a morte e o período seguinte à morte de uma pessoa estão associados à poluição ritual. Por causa disso, o falecido deve ser cremado dentro de 24 horas após a morte.

A cremação do corpo corta os laços da alma, ou o atman, com o corpo, permitindo que ela passe para o próximo nível de existência e eventualmente seja reencarnada. As cinzas são coletadas e colocadas em uma urna no terceiro dia após a cremação e imersas em um corpo d’água, idealmente em um rio sagrado como o Ganges.

Dentro do hinduísmo, a Lua desempenhou um papel importante na conceptualização do que acontece com os mortos. Por exemplo, os antigos textos hindus descrevem os espíritos dos mortos virtuosos como entrando em Chandraloka, ou o reino da Lua, onde experimentam felicidade por um tempo antes de serem reencarnados.

Nas muitas formas de budismo, a morte oferece uma oportunidade para os enlutados refletirem sobre a impermanência de todas as coisas. Enquanto no budismo tibetano há a tradição do “enterro celeste”, em que o falecido é desmembrado e deixado aos elementos, na maioria das formas de budismo os mortos são geralmente cremados e, como no hinduísmo, o cadáver é considerado poluente anteriormente.

Em formas mais antigas de budismo no Nepal e no Tibete, a Lua era entendida como identificada com o deus Chandra, que cavalga em uma carruagem. A Lua também é uma das nove divindades astrológicas cujo movimento fornece insights para calcular futuros individuais e coletivos.

Situação Difícil

Respondendo à objeção navajo de que despejar cinzas na Lua era uma profanação, o CEO da Celestis, a empresa que pagou pelas cápsulas contendo as cinzas, emitiu um comunicado enfatizando que lançar recipientes de cinzas humanas para a Lua é “a antítese da profanação … é uma celebração”.

No final, a questão foi irrelevante. Peregrine 1 nunca fez sua aterrissagem suave na Lua por causa de uma falha no motor, e sua carga útil foi destruída após entrar na atmosfera.

À medida que mais pessoas decidem enviar suas cinzas para o espaço, no entanto, conflitos religiosos estão fadados a surgir. A preocupação principal, e não apenas para a Nação Navajo, será como respeitar todas as tradições religiosas enquanto os seres humanos exploram e comercializam a Lua. Isso ainda permanece um problema hoje aqui na Terra.

spot_img
spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui