InícioSaúdeSaiba como funciona a depressão pós-parto

Saiba como funciona a depressão pós-parto

spot_img

A depressão pós-parto (DPP) é uma condição mental séria e tratável que ocorre nos primeiros doze meses após o parto. Ela se manifesta como sentimentos persistentes de tristeza, desesperança e ansiedade que se estendem por mais de duas semanas após o parto, impactando significativamente tanto o bem-estar físico quanto mental. Essa condição pode surgir a qualquer momento no primeiro ano após o parto, com ocorrência mais comum nos primeiros três meses.

Os sinais da depressão pós-parto são: aumento do choro, explosões de raiva, perda de interesse em atividades agradáveis ​​e alterações nos padrões de sono e apetite. As estatísticas indicam que aproximadamente 1 em cada 8 indivíduos enfrenta a depressão pós-parto após o parto.

A depressão pós-parto apresenta um desafio formidável para a vida cotidiana, induzindo emoções como tristeza, raiva, ansiedade, desesperança, insensibilidade, falta de valor, irritabilidade, inquietação, fadiga, dificuldades de concentração e uma sensação de desconexão ou negatividade em relação ao bebê. Reconhecer esses sinais em um ente querido envolve observar aumento do choro, aversão de ficar sozinho com o bebê, perda de interesse em atividades, padrões alterados de sono ou alimentação e desconforto físico.

Cuidado para não confundir a depressão pós-parto do transitório “baby blues”. Enquanto o “baby blues” envolvem sentimentos temporários de tristeza e ansiedade nos primeiros dias após o parto, sintomas persistentes além de duas a três semanas indicam sinais de depressão pós-parto.

O período pós-parto é desafiador, envolvendo recuperação física, ajuste aos novos papéis parentais e privação de sono, influenciando muito o humor. Alterações hormonais, mudanças no estilo de vida e ajustes sociais contribuem ainda mais para um risco elevado de depressão. Fatores de risco reconhecidos incluem eventos estressantes na vida, baixo suporte social, histórico de depressão, histórico de infertilidade, nascimentos múltiplos, idade jovem, parto prematuro, complicações na gravidez, gravidez não planejada, dificuldades na amamentação, estresse financeiro e uso de substâncias prejudiciais.

A depressão pós-parto não é exclusiva de nascimentos vivos, um estudo de 2022 revelou um aumento do risco de depressão (59,1%) após um aborto espontâneo.

As opções de tratamento incluem terapia, medicamentos e atividades de autocuidado. Casos graves podem exigir hospitalização ou tratamento em regime de internação se houver pensamentos de autolesão, pensamentos de prejudicar o bebê ou outros filhos, ou incapacidade de cuidar de si mesmo ou do bebê.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui