9.8 C
Paraná
quarta-feira, julho 24, 2024
spot_img
InícioCiênciaUm bisão extinto há 9.000 anos é descoberto

Um bisão extinto há 9.000 anos é descoberto

spot_img

Um velho bisão foi congelado dentro do permafrost siberiano por até 9.000 anos, até que o gelo em dissolução cortou seu corpo embalsamado no verão de 2022. Agora, cientistas russos esperam clonar a antiga besta usando amostras de tecido dela.

De acordo com um comunicado de imprensa de 13 de março, os cientistas doaram o bisão mumificado ao Museu do Mamute do M.K. Universidade Federal do Nordeste Ammosov para pesquisa.

De acordo com o comunicado, os cientistas conseguiram realizar uma necropsia para remover o cérebro e coletar amostras de sua pele, lã, músculos e tecidos moles. Embora a carcaça esteja incompleta, seus membros anteriores, cabeça e parte do peito estavam bem preservados.

Segundo as autoridades, isso deu aos pesquisadores a impressão de que poderiam clonar o bisão usando as células preservadas.

Os pesquisadores aceitam que o búfalo tinha entre 1,5 a 2 anos de idade quando chutou o balde, avaliando que viveu em algum lugar no intervalo de muito tempo atrás, à luz das idades geográficas de tipos comparáveis de búfalos encontrados nas proximidades em 2009 e 2010, pesquisadores disseram na entrega.

Os pesquisadores querem retornar à região de Verkhoyansk de Khaastaakh, no nordeste da Rússia, neste verão, para procurar restos fossilizados adicionais do bisão que foram descobertos lá.

Você pode pensar que a ideia de clonar uma criatura antiga que já morreu há muito tempo soa como algo saído de outro filme do Jurassic Park. Além do mais, alguns cínicos acham muito bem que pode ser uma chance remota, detalhou o LiveScience.

Love Dalen, paleogeneticista da Universidade de Estocolmo, na Suécia, disse à agência: “Na minha opinião, não será possível clonar animais extintos a partir de tecidos como este”.

Dalen afirmou à publicação que, apesar do estado “excepcionalmente bem preservado” dos tecidos, “o DNA dentro deles provavelmente está muito degradado para ser clonado”. Ele sugeriu sequenciar o genoma do bisão e combiná-lo com o DNA do bisão vivo e das espécies extintas.

Notícias McClatchy informou que cientistas do laboratório TIGRR e da empresa de “desextinção” Colossal, com sede no Texas, estão tentando reviver o tigre da Tasmânia e que também clonaram com sucesso lobos árticos na China.

Além disso, conforme relatado anteriormente pelo Notícias McClatchy, a empresa de alimentos australiana Vow anunciou em 28 de março que está trabalhando em direção a uma “alternativa mais ecológica à produção tradicional de carne”, produzindo almôndegas de mamute lanosas cultivadas em laboratório.

No entanto, as almôndegas de mamute lanoso atualmente não são consideradas seguras para o consumo humano.

spot_img
spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui