Assembleia do Paraná retoma as sessões plenárias no modelo híbrido

0
Assembleia Legislativa do Paraná (Foto: Pedro Correa/Alep)
Publicidade

O articulista político Fernando Tupan, do Blog do Tupan, informa que no dia dois de fevereiro os deputados paranaenses irão retomar as sessões plenárias, mas não será como todos gostariam no presencial, mas sim no híbrido, culpa da pandemia de Ômicron que deve atingir o pico no dia 15 de janeiro no Paraná, no final de fevereiro o presidente Ademar Traiano (PSDB) e o secretário Luiz Cláudio Romanelli (PSB) irão se reunir com os líderes partidários para definir a volta ou não a partir de primeiro de março.

O início da quarta Sessão Legislativa da 19ª Legislatura será às 14h30 por meio do Sistema Deliberação Misto, presencial ou híbrido, com a volta do ex-secretário da Casa Civil do governo Carlos Massa Ratinho Junior, Guto Silva, pré-candidato ao Senado Federal. Os demais secretários devem se descompatibilizar somente em março. mês da janela de transferência para outros partidos.

Retornam à Alep a partir de abril, Márcio Nunes (PSD) e Michel Micheletto (PL) e deixam a casa de leis, Gugu Bueno (PSD) e Hussen Bakri (PSD), mas que pode ficar caso Francisco Bührer (PSD) assuma uma secretária na administração Ratinho Junior.

Mas este ano outras mudanças podem ocorrer, o ex-deputado estadual Fernando Francischini (PSL) recorreu da pena aplicada pelo Tribunal Supeior Eleitoral ao Supremo Tribunal Federal e pode retornar, caso consiga uma liminar, com isso voltariam também Do Carmo (PSL), Emerson Bacil (PSL) e Cassiano Caron (PSL). Perderiam o mandato, Adelino Vieira (Patri), Nereu Moura (MDB), Elio Rusch (PP) e Pedro Paulo Bazana (PV).

“As estatísticas nos mostram que ainda não é o momento de afrouxar as medidas de controle. O número de novos casos continua aumentando significativamente. Por isso, decidimos por manter as atividades de plenário de forma híbrida, com parte dos deputados participando de forma remota”, explica o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Ademar Traiano (PSDB).

Há dez dias, a Assembleia Legislativa vem funcionando com controle de acesso, monitoramento de casos suspeitos entre servidores e com parte dos funcionários em teletrabalho. “A vacina reduziu a gravidade das infecções e salvou muitas vidas, mas os cuidados sanitários não podem ser esquecidos, pelo contrário, precisam ser redobrados”, alertou o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), primeiro secretário da Assembleia.

Por determinação da Comissão Executiva, também está proibida a realização de eventos coletivos ou sessões solenes que não tenham relação direta com as atividades legislativas de Plenário.

Os profissionais da imprensa que precisarem fazer a cobertura da sessão de forma presencial devem informar à Diretoria de Comunicação com antecedência os nomes dos profissionais para que seja providenciada a autorização de acesso. (Com Alep)

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui