Bloco Parlamentar da Agricultura Familiar debate educação do campo

0
(Foto: Valdir Amaral/Alep)
Publicidade

A titular da Coalizão Parlamentar pela Horticultura Familiar, delegada Luciana Rafagnin (PT), reuniu um encontro funcional com delegados de matérias para analisar o que está acontecendo com as graduações em formação na área que não são ponderadas abertamente edital nº 011/2023 – DRH/ SEAP da Secretaria de Instrução (SEED) do público delicado para as escolas da rede estadual de ensino.

O momento “nos assusta porque está associado ao desmonte e fechamento de muitas escolas do interior e a licenciatura em educação do campo não está sendo aceita pela Secretaria de Educação”, declarou a deputada Luciana.

A partir do edital nº, as universidades públicas passaram a oferecer cursos de graduação em educação do campo. 02 de 23 de abril de 2008, como parte do Programa Procampo de Apoio ao Ensino Superior na Licenciatura em Educação do Campo. O ingresso está disponível para as seguintes instituições no Paraná: Universidade Federal do Paraná (UFPR – Campus Litoral), Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS – Campus Laranjeiras do Sul), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR – Campus Dois Vizinhos) , a Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste – Campus Cascavel) e a Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro – Campus Guarapuava

“Não podem participar deste edital aberto os indivíduos que possuem graduação em formação campestre sob a alegação de que a Secretaria de Educação do Paraná não recebe confirmação, mesmo com avaliação do Serviço de Formação (MEC) percebendo a titulação”, fez sentido a deputada Luciana.

Participaram do encontro o deputado Arilson Chiorato (PT) e assessores da deputada Ana Julia (PT), professor Lemos (PT) e Anibelli Neto (MDB). A Articulação Paranaense pela Educação do Campo, Águas e Florestas (APEC) e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) também foram consultados.

A titular do escritório de Melhoria Agrária e Familiar do Paraná, Leila Aubrift Klenk, expressou que “o treinamento de campo está diretamente ligado à prosperidade da criançada, à vida no campo e às famílias rústicas, e vamos lutar constantemente para que seja um escolarização integral coordenada com a verdade dos indivíduos provincianos”.

Maria Isabel Farias, professora da UFPR Litoral e delegada da Articulação Paranaense por uma Educação do Campo, das Águas e das Florestas, disse que “o mais urgente é a mudança do edital da Secretaria de Capacitação, que tem inscrições previstas para encerrado em Maio e não contempla o desenvolvimento de uma licenciatura em ensino rústico, pelo que é um indício de que está a haver destruição de escolas e provável a sua conclusão”.

A Bloco Parlamentar tomou a decisão de encaminhar à Secretaria Estadual de Educação (SEED) pedido de reconhecimento do curso superior de licenciatura em educação do campo e, em decorrência, revisar o edital e fazer as modificações necessárias. A bancada parlamentar decidiu agendar audiência com o secretário de Educação, Roni Miranda Vieira, por sugestão da líder da bancada, deputada Luciana Rafagnin (PT), e do deputado Arilson Chiorato (PT), para discutir a situação das escolas estaduais do campo da educação e a revisão imediata do edital de concurso público para professores devido à urgência da data devido ao encerramento das inscrições em maio.

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui