9.3 C
Paraná
terça-feira, maio 28, 2024
InícioCiênciaCheiro antigo ajuda revelar a vida de uma mulher...

Cheiro antigo ajuda revelar a vida de uma mulher sepultada com faraós

spot_img

Pesquisadores decodificaram uma fragrância antiga reconhecendo os ingredientes usados na medicina de embalsamamento egípcia – e restauraram o aroma.

Aqueles ansiosos por testar este cheiro do passado vão querer realmente descobrir o que os especialistas chamaram de “a fragrância eterna” durante uma apresentação iminente no salão de exposições Moesgaard, na Dinamarca.

Também chamada de “fragrância da vida eterna”, o perfume depende da cera de abelha, óleos vegetais e seiva de árvores de terras distantes que o grupo encontrou em emolientes utilizados há muito tempo para proteger Senetnay, um aristocrata cujos restos mortais foram colocados dentro de protuberâncias canópicas. e encontrado no Vale dos Governantes, no Egito, em 1900.

A divulgação revela experiências sobre a posição social de Senetnay, bem como as técnicas usadas para proteger suas partes restantes e o significado dos ingredientes emolientes.

A autora do estudo, Barbara Huber, pesquisadora de doutorado, afirmou: “Os ingredientes de embalsamamento encontrados nos bálsamos de Senetnay estão entre os mais elaborados e diversos já identificados neste período, revelando o cuidado meticuloso e a sofisticação com que os bálsamos foram criados.”

“A presença de uma gama tão imensa de ingredientes, incluindo substâncias estranhas como o dammar ou o alcatrão da árvore Pistacia, mostra que materiais muito interessantes e caros foram utilizados para o seu tratamento”, acrescentou Huber. “Isso se concentra no status incomum de Senetnay na arena pública.”

Pouco se sabe sobre Senetnay, mas pesquisas anteriores estabeleceram que ela viveu por volta de 1.450 aC e foi ama do Faraó Amenhotep II, o tão esperado filho e herdeiro do Faraó Tutmés III. Ela cuidou de Amenhotep II e o amamentou quando criança.

Senetnay foi agraciado com o título de “Ornamento do Rei”, tornando-se um membro valioso da comitiva do Faraó. Após a morte dele, os órgãos vitais de Senetnay foram embalsamados e colocados dentro de quatro potes canópicos com tampas em formato de cabeças humanas.

Os egípcios removeram cuidadosamente órgãos como pulmões, fígado, estômago e intestinos durante o processo de mumificação para prevenir o crescimento bacteriano e preservar melhor o corpo. Os egípcios acreditavam na preservação do corpo para a vida após a morte, para que a alma da pessoa tivesse um lugar para onde retornar.

Após o processo de embalsamamento, os jarros eram colocados dentro de uma tumba real no Vale dos Reis, onde o egiptólogo Howard Carter os encontrou em 1900. O corpo de Senetnay não foi recuperado. (Carter seria creditado pela descoberta da tumba de Tutancâmon em 1922.)

A inclusão de Senetnay no Vale dos Reis, “uma necrópole reservada aos faraós e nobres poderosos”, sugere “um privilégio extraordinário que Senetnay tinha”.

“Este trabalho fornece informações sobre os grandes esforços que os egípcios haviam nas práticas mortuárias, e não apenas para os faraós, mas para outros indivíduos da sociedade”, disse a coautora do estudo Nicole Boivin, líder do grupo de pesquisa do Instituto Max Planck de Geoantropologia. “Mas também deixa claro que Senetnay foi uma pessoa com uma importância que ultrapassa a simples descrição dela como ama de leite do futuro Faraó Amenhotep II.”

Os dois frascos que continham os pulmões e o fígado de Senetnay fazem parte da coleção egípcia do Museu August Kestner em Hannover, Alemanha, desde 1935. Eles sobreviveram à destruição durante a Segunda Guerra Mundial ao serem armazenados em uma mina de sal. Os outros dois potes, que não fizeram parte do estudo, estão guardados em acervos em outros locais.

O conteúdo já se foi há muito tempo, mas os pesquisadores conseguiram raspar o interior dos potes para estudar os resíduos deixados pelos bálsamos, bem como o que vazou para o calcário poroso dos potes.

As receitas exatas usadas na mumificação têm sido debatidas há muito tempo porque os antigos textos egípcios não nomeiam ingredientes precisos. A equipe iniciou sua pesquisa para identificar os ingredientes do bálsamo em 2021, usando uma variedade de técnicas analíticas altamente avançadas. Os bálsamos diferiam ligeiramente entre os dois frascos, o que significa que diferentes ingredientes podem ter sido usados dependendo do órgão que estava sendo preservado.

Os bálsamos continham cera de abelha, óleos vegetais, gorduras animais, betume natural e resinas. Compostos como cumarina e ácido benzóico também estavam presentes. A cumarina, que tem cheiro de baunilha, é encontrada na ervilha e na canela. O ácido benzóico se encontra em resinas e gomas de árvores e arbustos.

No frasco usado para armazenar os pulmões de Senetnay, os pesquisadores detectaram resinas perfumadas de lariços e algo que é dammar de árvores encontradas na Índia e no Sudeste Asiático, ou resina de árvores Pistacia que pertencem à família do cajueiro.

“A presença de certos ingredientes indica que os egípcios estabeleceram rotas e redes comerciais de longo alcance. Notavelmente, a presença de resina de lariço – que se origina do norte do Mediterrâneo e da Europa central – e potencialmente de dammars, resina exclusiva das florestas tropicais do Sudeste Asiático, ressalta o vasto alcance das rotas comerciais egípcias durante meados do segundo milênio aC”, disse Huber.

Os pesquisadores ainda estão trabalhando para confirmar se o dammar era um dos ingredientes.

“Se for dammar, percorreu um caminho chocantemente longo e isso fornece uma nova visão sobre antigas redes comerciais”, disse Boivin por e-mail. “As viagens eram extremamente difíceis e expedições marítimas ainda eram um tanto raras. É improvável que os próprios egípcios tenham ido para estas terras distantes, mas antes que fizessem parte de redes de intercâmbio que se ligavam a outras redes. Mas estas foram as fases iniciais do mundo globalizado em que vivemos hoje.”

Se o dammar for confirmado como ingrediente, isso também sugeriria que os egípcios tiveram acesso à resina quase um milênio antes do esperado, disseram os autores do estudo. Dammar foi identificado como ingrediente de embalsamamento em Saqqara, no primeiro milênio aC.

As novas descobertas sugerem que os bálsamos relativamente complexos utilizados na preservação de Senetnay podem ter sido o início de uma tendência de bálsamos mais elaborados utilizados posteriormente.

Depois de identificar os ingredientes, a equipe de pesquisa trabalhou com a perfumista francesa Carole Calvez e a museóloga sensorial Sofia Collette Ehrich para recriar o aroma real do bálsamo.

O processo meticuloso levou meses e várias iterações antes de chegar a um aroma historicamente preciso e evocativo, disse Huber.

“A primeira vez que encontrei o perfume, foi uma experiência profunda e quase surreal”, disse ela. “Depois de passar tanto tempo imerso em pesquisas e análises, finalmente ter essa conexão tangível e aromática com o mundo antigo foi comovente. Foi como segurar um leve eco do passado.”

A equipe de pesquisa queria oferecer aos visitantes do museu uma experiência mais imersiva no mundo antigo, incorporando um elemento olfativo e, ao mesmo tempo, tornando-o mais acessível aos visitantes com deficiência visual, disse ela. “O perfume da vida eterna” fará parte de uma exposição do antigo Egito no museu dinamarquês que será inaugurado em outubro.

“O perfume proporciona uma conexão única e visceral com o passado, invocando uma espécie de viagem no tempo que é íntima e evocativa”, disse Huber. “Ao reintroduzir este aroma antigo, pretendemos preencher a lacuna entre aquela época e agora, permitindo aos visitantes ‘respirar’ verdadeiramente um fragmento da antiguidade.”

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui