18.7 C
Paraná
quarta-feira, julho 24, 2024
spot_img
InícioSaúdeCom que frequência você pode pegar Covid

Com que frequência você pode pegar Covid

spot_img

Por mais de um ano, as vacinas originais Covid-19 resistiram notavelmente bem – até milagrosamente – contra um alfabeto grego de novas variantes: Alfa, Beta, Gama, Delta.

Mas agora os especialistas dizem que algo está mudando. Desde o início de 2022, a versão inicial da Ômicron, conhecida como BA.1, está gerando novas sublinhagens — BA.2, BA.2.12.1, BA.4, BA.5 — em um ritmo alarmante.

Variantes anteriores também faziam isso. Mas isso nunca importou, porque suas ramificações “não tiveram consequências funcionais”, de acordo com Eric Topol, fundador do Scripps Research Translational Institute. “Eles não aumentaram a transmissibilidade ou patogenicidade.” A informação é do portal do Yahoo.

As mutantes Ômicron de rápida proliferação de hoje são diferentes, no entanto. Todos eles têm uma característica preocupante em comum: eles estão ficando cada vez melhores em evitar a imunidade e adoecer pessoas que antes eram protegidas por vacinação ou infecção anterior.

O vírus, em outras palavras, está evoluindo mais rápido – e de maneira mais conseqüente – do que nunca. Dada a crescente velocidade da evasão imunológica e o que esse padrão pressagia para o futuro, os especialistas alertam que chegou a hora de repensar nossa dependência do status quo da vacina e dobrar as vacinas de próxima geração que podem realmente interromper a infecção.

A tempestade de sublinhagens da BA não é tudo uma má notícia. Os casos de Covid têm aumentado em todo o país desde o início de abril, quase quadruplicando nas últimas seis semanas. No entanto, tanto as mortes por Covid quanto os pacientes de UTI ainda estão ou se aproximando de mínimos recordes – mesmo que outros países com maiores lacunas na exposição ou vacinação anteriores tenham sido duramente atingidos, e mesmo que novas pesquisas mostrem que Ômicron e seus derivados não são, de fato, intrinsecamente menos graves ou mortais do que as variantes anteriores, ao contrário das suposições iniciais.

Claramente, a imunidade existente ainda é valiosa. Juntamente com novas terapêuticas como Paxlovid, é o principal fator que torna 2022 diferente e muito menos mortal do que 2021 ou 2020.

Um cético pode dizer que isso é tudo o que importa. Uma baixa taxa de morte e doença grave? Missão cumprida, continua o argumento. O COVID realmente não é pior do que a gripe agora. Os americanos estão certos em desmascarar e voltar ao normal.

O problema com essa abordagem é que ela ignora a nova direção do vírus – e o que a ciência pode fazer para redirecioná-lo. Ele sucumbe a uma complacência que pode, com o tempo, tornar-se mortal.

Apenas alguns meses atrás, era possível acreditar que a Covid estava perdendo força. Recém-saída de uma enorme onda de inverno BA.1, o mundo foi inundado com novos anticorpos, o que parecia retardar a próxima versão da Ômicron, BA.2, a um rastejamento. Parecia o começo do fim: o primeiro grande passo em direção à endemicidade, ou uma coexistência menos perigosa, disruptiva e previsível com a Covid. Como a gripe.

Mas o surgimento quase simultâneo — e quase imediato — de BA.2.12.1, BA.4 e BA.5 derrubou essas expectativas. Todas as três cepas compartilham várias mutações com BA.2, mas também apresentam alterações adicionais em um aminoácido chave chamado L452, o que pode ajudar a explicar por que todas as três evitam a imunidade tão bem. Como Gretchen Vogel, da revista Science, explicou em uma história recente intitulada “Novas versões da Ômicron são mestres da evasão imunológica”, “L452 faz parte do domínio de ligação ao receptor, a parte da proteína spike que se prende às células, permitindo a infecção. O domínio também é um alvo chave para anticorpos protetores.”

A coisa perturbadora sobre essas mutações L452 é que elas não aconteceram com apenas uma cepa em um só lugar. Eles ocorreram em pelo menos quatro sublinhagens diferentes em quatro países diferentes, todos ao mesmo tempo: Bélgica, França, África do Sul e EUA (especificamente Nova York). Isso sugere fortemente que as mutações não foram aleatórias, mas sim uma adaptação darwiniana destinada a ajudar o vírus a evitar o que parecia estar mantendo os casos baixos em primeiro lugar: as enormes quantidades de imunidade Ômicron geradas durante o inverno.

“O aparecimento independente de quatro mutações diferentes no mesmo local? Isso não é normal”, disse o imunologista Yunlong Richard Cao, da Universidade de Pequim, à revista Science. Já a Ômicron e seus descendentes “devem ser chamados de SARS-3”, acrescentou Linfa Wang, pesquisadora de coronavírus do morcego da Duke-NUS Medical School em Cingapura – um vírus totalmente distinto.

E o fato de o vírus ter respondido dessa maneira uma vez sugere que ele pode continuar respondendo da mesma maneira no futuro.

“Podemos ter certeza de que [as variantes futuras] continuarão sendo cada vez mais capazes de escapar do sistema imunológico”, explicou Kristian Andersen, que estuda a evolução viral na Scripps Research.

Essa nova trajetória em direção à fuga imune – com pouca pausa para respirar depois de uma grande onda – não é um retorno à estaca zero. Mas é arriscado por vários motivos.

Para a maior parte da pandemia, uma infecção anterior forneceu proteção real contra a reinfecção, mesmo por uma variante diferente. No entanto, estudos iniciais indicam que há pouca imunidade cruzada entre BA.1 e BA.2.12.1, BA.4 ou BA.5 – o que significa que “aqueles infectados com a primeira variante Ômicron” já estão “relatando segundas infecções com as versões mais recentes da variante” apenas alguns meses depois, de acordo com o New York Times.

Por sua vez, “essas pessoas podem ter terceira ou quarta infecções, mesmo neste ano”.

“Parece-me provável que esse seja um padrão de longo prazo”, disse Juliet Pulliam, epidemiologista da Universidade Stellenbosch, na África do Sul, ao New York Times.

Escusado será dizer que ser infectado várias vezes por ano com um vírus que tem o potencial de causar uma série de outros problemas de saúde – incluindo “longa Covid” em cerca de 10% daqueles que infecta – não é o ideal.

Enquanto isso, combine reinfecções frequentes com casos de avanço crescentes e a carga geral do vírus na sociedade aumentará – tanto em termos de dias de doença no trabalho e na escola quanto na ameaça de resultados mais graves, incluindo a morte. Mesmo agora, a Ômicron e seus descendentes não estão apenas fugindo da imunidade contra infecções (mesmo logo após uma injeção de reforço). Eles estão mostrando que podem corroer pelo menos alguma proteção contra doenças graves também.

“Um grande equívoco é que as vacinas estão se mantendo estáveis ​​para proteger contra doenças graves, hospitalizações e mortes”, escreveu Topol na segunda-feira no Guardian. “Eles não são. Quando um reforço foi administrado durante a onda Delta, ele restaurou totalmente a proteção contra esses resultados, para o nível de 95% de eficácia. Mas para a Ômicron, com um booster (ou segundo booster) a proteção foi de aproximadamente 80%. Embora ainda alto, [isso] representa um grande aumento de quatro vezes” na ineficácia, de 5% para 20%.

Extrapole essa redução de quatro vezes na proteção para toda a população dos EUA – cerca de 70% da qual não é impulsionada, incluindo 20 milhões de idosos – e isso significa resultados mais trágicos, especialmente se a Covid puder se espalhar sem controle. Em Massachusetts, um dos estados mais vacinados da América, as hospitalizações aumentaram 56% nas últimas duas semanas – quando BA.2.12.1 ultrapassou BA.2 para se tornar dominante. Os números de UTIs subiram 97%.

Finalmente, quanto mais o vírus se espalha, mais oportunidades ele tem de desenvolver propriedades mais perigosas. “É excessivamente otimista pensar que terminaremos quando as variantes da Ômicron seguirem seu curso”, explicou Topol. “Eles não apenas estão fornecendo mais campos de semeadura para mais variantes de preocupação, mas esse caminho é ainda mais facilitado por dezenas de milhões de pessoas imunocomprometidas em todo o mundo, reservatórios animais múltiplos e maciços e maior frequência de recombinantes – as versões híbridas do vírus que estamos vendo a partir de co-infecções.”

“Toda vez que pensamos que passamos por isso, toda vez que pensamos que temos vantagem, o vírus nos engana”, acrescentou Andersen. “A maneira de controlá-lo não é ‘Vamos todos ser infectados algumas vezes por ano e depois esperar o melhor’.”

Então, qual é o caminho a seguir? Não é o que os EUA e o Brasil estão fazendo agora, insistem os especialistas.

Atualmente, há apenas uma nova vacina no funil regulatório: um reforço Ômicron baseado na variante BA.1, que está em aprovação neste verão. No entanto, BA.2.12.1, BA.4 e BA.5 podem já tê-lo tornado obsoleto – uma incompatibilidade que se tornará apenas mais pronunciada à medida que o vírus continuar a evoluir.

Depois, há o Congresso, que se recusou a aprovar o pedido do governo Biden de US$ 10 bilhões em novos financiamentos para a Covid. Como resultado, a Casa Branca está agora se preparando para racionar o próximo reforço Ômicron, de acordo com o Politico.

Infelizmente, a América está retrocedendo aqui. Em vez de gastar menos em tiros atrás da curva, os EUA deveriam gastar mais para se antecipar ao vírus. Como? Ao investir em vacinas de última geração que podem impedir que novas variantes evitem nossas defesas imunológicas.

Um caminho promissor é uma vacina nasal – um spray simples que “entrar na camada de muco dentro do nariz e ajudar o corpo a produzir anticorpos que capturam o vírus antes mesmo que ele tenha a chance de se ligar às células das pessoas”, de acordo com Akiko Iwasaki, um professor de imunobiologia da Escola de Medicina de Yale, cuja equipe vem desenvolvendo exatamente essa vacina.

“Mostramos em estudos com animais que podemos pulverizar as chamadas proteínas de pico do vírus no nariz em um hospedeiro previamente vacinado e reduzir significativamente a infecção no nariz e nos pulmões, além de fornecer proteção contra doenças e morte”, escreveu Iwasaki em um artigo. Editor de opinião do New York Times. “Usar o spray nasal como reforço – potencialmente sem receita – a cada quatro a seis meses pode fazer mais sentido para esta pandemia”.

A segunda grande avenida seria uma vacina à prova de variantes com base nos muitos anticorpos neutralizantes que os cientistas descobriram desde o início da pandemia, que “têm uma alta probabilidade de proteger contra qualquer variante futura”, segundo Topol.

“Tais vacinas estão claramente ao nosso alcance, mas a falta de investimento em uma iniciativa de alta prioridade e velocidade está nos impedindo”, explicou ele.

Três vacinas nasais estão em fase final de ensaios clínicos; quatro vacinas à prova de variantes também iniciaram testes recentemente. Eles poderiam ser usados ​​em conjunto: o último para as doses iniciais, o primeiro como reforço. Mas não houve Operação Velocidade de Dobra ​​para nenhum deles – e o financiamento federal do Covid está prestes a acabar.

Dada a rapidez com que o vírus está mudando, Topol e outros dizem que é hora de mudar também. A proteção imunológica em que muitos americanos confiavam quando removeram suas máscaras e voltaram ao normal não é o que costumava ser. Portanto, a menos que eles estejam bem em ser reinfectados repetidamente – e espalhar o vírus para outros amigos e familiares mais vulneráveis ​​– as vacinas de próxima geração estão começando a parecer a estratégia de saída mais inteligente.

“Precisamos nos concentrar em ampliar nossa imunidade, [e] realmente precisamos seguir em frente”, disse Andersen à revista Science. “Simplesmente deixar o vírus fazer o que os vírus fazem – continuar nos infectando e provavelmente várias vezes por ano – simplesmente não é uma opção no meu manual.”

spot_img
spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui