24 C
Paraná
terça-feira, julho 23, 2024
spot_img
InícioCiênciaDe onde vem essa história de que a Lua...

De onde vem essa história de que a Lua é oca?

spot_img

Os teóricos da conspiração já sustentaram a ideia de que a lua era oca. Embora essa ideia seja mais plausível do que a crença de que a lua é feita de queijo, ainda assim parece bastante ridícula pelos padrões de hoje. Então, de onde surgiu essa teoria – ou melhor, conspiração – da lua oca?

Surpreendentemente, ela não se baseia em folclore e nem é muito antiga. A teoria da lua oca surgiu pela primeira vez em 1969, durante a missão de pouso na lua da Apollo 12. Os pesquisadores da NASA buscavam aprender mais sobre a composição lunar. Durante a missão Apollo 12, os astronautas Pete Conrad e Alan Bean instalaram um Experimento Sísmico Passivo (PSE) no local de pouso, como parte de um conjunto maior de experimentos lunares conhecido como Pacote de Experimentos na Superfície Lunar da Apollo (ALSEP).

Uma vez que os astronautas da Apollo 12 estavam seguros de volta no módulo de comando, eles colidiram o módulo lunar na superfície da lua. O impacto equivalia a detonar uma tonelada de TNT e desencadeou o que é conhecido como um “terremoto lunar” – o primeiro terremoto lunar feito pelo homem a acontecer. Os sismômetros do PSE registraram as vibrações resultantes, que foram muito maiores e duraram muito mais do que os cientistas esperavam. Eram muito diferentes das vibrações de terremotos com as quais estamos familiarizados.

A NASA continuou seus experimentos de terremotos lunares durante as missões Apollo 13, 14, 15 e 16, obtendo resultados semelhantes.

Na época, os resultados foram surpreendentes, pois apontavam que a lua era muito menos densa do que a Terra, e é verdade: a lua é apenas 60% tão densa. Isso não significa que a lua seja oca, mas, como muitas coisas – como o próprio pouso na lua – os teóricos da conspiração perpetuaram essa desinformação.

O que são terremotos lunares?

Os sismômetros do Experimento Sísmico Passivo colocados durante a missão Apollo 12 permaneceram ativos até 1977, registrando tanto terremotos lunares naturais quanto feitos pelo homem. Na verdade, terremotos lunares acontecem com bastante regularidade, já que detritos espaciais como asteroides atingem a lua com mais frequência do que a Terra, devido à atmosfera muito menos densa da lua.

Os cientistas identificaram quatro tipos de terremotos lunares: terremotos sub-700 quilômetros de profundidade, terremotos causados por meteoritos, terremotos térmicos e terremotos rasos ocorrendo apenas de 20 a 30 quilômetros de profundidade. Terremotos lunares rasos, como aqueles desencadeados pela NASA, duram mais e têm os efeitos mais devastadores – alguns até mediram até 5,5 na escala Richter. Terremotos lunares rasos ocorrem naturalmente na lua também, embora os cientistas ainda não tenham identificado a causa deles.

Por que a lua “ressoa” como um sino?

Aqui é onde as coisas se complicam. “A lua estava tocando como um sino”, diz Clive R. Neal, professor de engenharia civil e ciências geológicas da Universidade de Notre Dame, sobre os resultados do experimento em um artigo da NASA. E isso é verdade do ponto de vista científico. Da mesma forma, o artigo também compara as vibrações dos terremotos lunares às de um diapasão, que é um tipo de ressonador acústico. “Só continua e continua”, diz Neal.

No entanto, a lua não soa literalmente como um sino tocando, nem é oca como um. Mas os teóricos da conspiração interpretaram isso dessa maneira.

Na Terra, as vibrações dos terremotos geralmente duram apenas cerca de 30 segundos ou até dois minutos. Isso se deve em grande parte à quantidade de água presente no planeta. Como Neal explica, “A água enfraquece a pedra, expandindo a estrutura de diferentes minerais. Quando a energia se propaga por uma estrutura compressível dessas, ela age como uma esponja de espuma – ela amortiza as vibrações.”

Enquanto isso, os terremotos lunares induzidos pela NASA duraram todos mais de dez minutos. A onda de choque do terremoto lunar da Apollo 12 levou quase oito minutos para atingir o pico após o impacto e cerca de uma hora para cessar completamente. Mas agora sabemos que há uma explicação científica muito boa para isso. Não há muita água na lua que conhecemos – está principalmente na forma de gelo; e a lua é mais seca e muito mais rígida do que a Terra. Então, a composição da lua permite que as vibrações “soem” e continuem por um período muito mais longo.

Os resultados foram surpreendentes na época das missões Apollo, mas agora sabemos mais sobre a composição da lua. Embora tenhamos descartado a lua ser oca, ainda temos muito a aprender. Terry Hurford, um geofísico da NASA, está trabalhando no novo Experimento de Investigação e Monitoramento Lunar Subsuperficial (SUBLIME), que iria “mapear o núcleo da lua” e reunir ainda mais dados sobre terremotos lunares para o programa Artemis, por exemplo. “Nosso entendimento do interior da lua ainda é rudimentar e limitado”, diz ele em um artigo da NASA.

spot_img
spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

2 COMENTÁRIOS

  1. não é oca, mas absurdamente menos denso do que deveria, o nucleo tende a ser o local mais denso de um satelite/planeta/etc, mas o nucleo da lua apresentou uma densidade inferior ao da crosta

  2. O tal ai que escreveu o artigo, nem dá para saber quem foi, está muito desinformado, e caiu no conto do vigário dos materialistas ateus, e nem piscou. A Lua tem anomalias altamente suspeitas, tal como a densidade ser muito baixa, ela está numa distância exata para conseguir eclipsar o Sol, ela é mais velha do que a Terra, e se trata de corpo celeste grande demais para estar na órbita com a Terra, as crateras nunca são mais profundas do que 4 quilômetros, mesmo com crateras de impactos com raio imenso, a profundidade não corresponde ao tamanho e força dos impactos, etc…. Então vá estudar o senhor arrogante que escreveu esse artigo antes de ficar verbalizando “verdades estabelecidas”. Larga a mão de ser anticientífico e fanático religioso.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui