18.1 C
Paraná
terça-feira, junho 18, 2024
InícioDestaquesFoguete chinês 'atinge lado oculto da lua

Foguete chinês ‘atinge lado oculto da lua

spot_img

Uma parte descartada de um foguete deveria ter colidido com o lado oculto da Lua agora, dizem cientistas que esperavam o impacto às 14:25. A parte do foguete de três toneladas foi rastreada por vários anos, mas sua origem foi contestada. A princípio, os astrônomos pensaram que poderia ter pertencido à empresa SpaceX de Elon Musk, e depois disseram que era chinês – algo que a China nega. A informação é da BBC News.

Os efeitos do impacto na lua deveriam ter sido menores.

O estágio do foguete teria escavado uma pequena cratera e criado uma nuvem de poeira.

Os cientistas esperam obter a confirmação nos próximos dias ou semanas.

A parte do foguete foi avistada pela primeira vez da Terra em março de 2015. Uma pesquisa espacial financiada pela Nasa no Arizona a localizou, mas rapidamente perdeu o interesse quando se mostrou que o objeto não era um asteroide.

A parte do foguete é o que é conhecido como “lixo espacial” – hardware descartado de missões ou satélites sem combustível ou energia suficiente para retornar à Terra.

Algumas peças estão mais próximas de nós, logo acima da Terra, mas outras, como este propulsor, estão a milhares de quilômetros de distância em órbita alta, longe da atmosfera da Terra.

A Agência Espacial Europeia estima que existam agora 36.500 pedaços de lixo espacial com mais de 10 cm.

Nenhum programa espacial ou universidade rastreia formalmente o lixo do espaço profundo. O monitoramento do espaço é caro e os riscos para os humanos de detritos de alta órbita são baixos.

Então, cabe a um pequeno punhado de astrônomos voluntários que passam seu tempo livre fazendo cálculos e estimando órbitas. Eles disparam e-mails e alertas para frente e para trás, pedindo a quem estiver na melhor localização do planeta para localizar um objeto no espaço.

Seis semanas depois que o foguete foi visto pela primeira vez, Peter Birtwhistle, 63, estava observando os céus em busca de asteroides de seu jardim em Newbury, no sul da Inglaterra.

O telescópio dele captou um pequeno ponto de luz rastreando o céu. Os cálculos sugeriram que era parte de um foguete, disse ele à BBC News.

O lixo espacial aparece e desaparece, muitas vezes de forma imprevisível. Por sete anos ele mal viu a parte do foguete – até que em janeiro, reapareceu.

“Peguei algumas imagens quando passou perto da Terra”, explicou.

Ele enviou suas fotos para o astrônomo e cientista de dados Bill Gray, na costa leste dos Estados Unidos. Ele é o especialista que passou a identificá-lo como um impulsionador da SpaceX em direção à Lua.

A notícia de que uma parte descartada de uma das missões espaciais do bilionário Musk iria atingir a Lua ganhou as manchetes globais.

Mas rastrear lixo espacial geralmente é “trabalho de detetive”, explica Gray. A insígnia do foguete não pode ser vista – os astrônomos precisam reunir sua identidade rastreando sua rota de volta pelo espaço. Eles então combinam sua órbita com datas e locais de lançamentos e trajetórias de foguetes.

Mas algumas missões espaciais, incluindo a da China, não divulgam suas rotas.

“Para uma missão chinesa, sabemos a data de lançamento porque eles são televisionados. Então, suponho que chegará à Lua – geralmente em quatro ou cinco dias. Então calculo uma órbita aproximada”, explica Gray.

E às vezes ele comete erros. Semanas após a identificação da SpaceX, outro observador enviou novos dados ao Sr. Gray, revelando que sua identificação era impossível.

Ele executou os números novamente e concluiu que era o terceiro estágio de um foguete da missão lunar chinesa Chang’e 5-T1, lançado em outubro de 2014.

A China negou isso, dizendo que o estágio superior havia reentrado na atmosfera da Terra e queimado.

O Sr. Gray está aderindo à sua previsão. Ele acredita que a China confundiu o rastreamento de duas partes de foguetes. “Tenho 99,9% de certeza de que é o China 5-T1”, diz ele.

Na realidade, nunca teremos certeza.

O professor Hugh Lewis, da Universidade de Southampton, diz que o valor científico de rastrear o lixo do espaço profundo é limitado. Mas ele diz que é importante “ficar de olho no que está lá”, especialmente porque o assentamento humano no espaço se torna mais provável.

“É a bagunça que criamos. Objetos que achamos seguros podem realmente retornar à Terra inesperadamente”, diz ele.

De onde quer que tenha vindo, ninguém terá testemunhado os últimos momentos do booster.

A evidência do que aconteceu não virá até que dois satélites que orbitam a Lua passem sobre o local de impacto projetado e fotografem a característica da cratera resultante.

E como o booster se partiu em milhares de pedaços, muitas das evidências físicas de suas verdadeiras origens também serão perdidas. O melhor que temos são as estimativas feitas pelo Sr. Gray e os astrônomos voluntários que observam os céus.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui