24.2 C
Paraná
sábado, junho 22, 2024
InícioDestaquesGelo seco em Marte

Gelo seco em Marte

spot_img

Em uma tentativa contínua de ser o planeta mais estranho do sistema solar, Marte aparentemente tem avalanches de poeira em encostas íngremes causadas por ventos finos gerados como geada de gelo seco misturado com o regolito sublima ao nascer do sol e deixa faixas escuras.

Então, sim, vamos detalhar um pouco isso, certo?

Marte está mais longe do Sol do que a Terra, e muito frio. A água existe quase exclusivamente como gelo lá. A atmosfera é quase inteiramente de dióxido de carbono e é tão fina – menos de 1% da densidade da atmosfera da Terra ao nível do mar – que equivale a ser três vezes mais alta que o Monte Everest. A informação é do Syfy.

Ainda assim, a atmosfera marciana existe, e a temperatura de Marte oscila o suficiente para que em altas latitudes e à noite fique frio o suficiente para que o CO2 possa precipitar do ar como geada – geada de gelo seco. Isso acontece em todos os lugares em Marte, embora em alguns lugares fique quente o suficiente, aproximadamente -80° C ou -100° F, para que possa sublimar, transformando-se de sólido em gás, tornando-se parte da atmosfera novamente.

Existem várias naves espaciais orbitando Marte, e eles podem ver essa geada se formando e se dissipando no solo. Um desses orbitadores, o Mars Odyssey, está equipado com um detector infravermelho que é sensível à emissão térmica – basicamente, coisas que brilham no infravermelho distante devido ao seu próprio calor; isto é, qualquer coisa acima do zero absoluto – e pode ver essa geada variando amplamente sobre Marte, especialmente ao amanhecer. É visto em todas as latitudes, mesmo perto do equador.

Mas então as coisas ficam estranhas. Quando eles usam uma câmera de luz visível, que detecta o tipo de luz que vemos, ela vê a mesma geada ao mesmo tempo em alguns lugares, mas não em todos. Há locais em que o termovisor definitivamente detecta geada, mas quando você olha para a luz visível… nada. Isso tende a acontecer em latitudes mais baixas, mais perto do equador.

Nessas latitudes, Marte é péssimo com pequenos grãos de poeira feitos de óxido de ferro – ferrugem – que dão ao planeta sua tonalidade ocre familiar. Esses grãos são muito pequenos, com apenas 1 a 2 mícrons de largura, cerca de um centésimo da largura de um fio de cabelo humano, e cobrem tudo. Um novo estudo analisando a geada de gelo seco em baixas latitudes liga a poeira e a falta de geada visível. Os cientistas acham que a geada de dióxido de carbono se forma na fina camada de poeira, misturada a ela: Geada de gelo seco sujo.

Isso faz sentido; onde a geada se forma em rochas e outras superfícies expostas seria fácil de detectar na luz visível, já que é mais branca do que as rochas basálticas cinzentas onipresentes em Marte. Mas se estiver misturado com a poeira avermelhada, seria muito mais difícil de ver, apesar das imagens infravermelhas térmicas tornarem isso bastante óbvio.

OK, bem, isso é legal. Mas há mais.

Existem algumas características listradas estranhas vistas em encostas do planeta, encostas e bordas de crateras, chamadas – para ser um pouco no nariz – faixas de encostas. Eles podem ser bastante escuros e parecem muito com material fluindo pelas encostas, às vezes se ramificando como deltas de rios. Eles são muito provavelmente avalanches de poeira descendo a ladeira, levando algumas horas para ir do início ao fim. O que os desencadeia não é conhecido*.

Mas os cientistas do novo trabalho têm uma ideia. Se a geada é misturada com a poeira da superfície em uma camada de alguns mícrons de profundidade, então ao nascer do sol o Sol a aquece e sublima. Isso cria um fluxo vertical fraco de gás dióxido de carbono, perturbando os grãos de poeira. Isso seria suficiente, em encostas íngremes, para desencadear uma cascata de poeira descendo a colina. Voilà! Faixas de inclinação.

Surpreendentemente, o vento da sublimação de gelo seco se move a apenas um ou dois centímetros por segundo. Uma velocidade de caminhada casual é cem vezes mais rápida! Mas na atmosfera fina e na gravidade mais baixa, isso é suficiente para desalojar a poeira e gerar o fluxo.

Isso não acontece com frequência; as faixas de declive são relativamente raras, portanto, as condições necessárias para formá-las não devem ser muito comuns em Marte. E embora essa ideia seja consistente com todas as observações, ainda pode haver mais coisas acontecendo. Isso é quase sempre verdade na ciência e precisa ser verificado. Observar a superfície marciana com resolução suficiente ao amanhecer não é tão fácil, especialmente vendo o mesmo local mais de uma vez ao longo de uma hora; os satélites se movem rapidamente e geralmente não voam sobre o mesmo local várias vezes seguidas. E embora este não seja um experimento de alta prioridade, seria bom se missões futuras pudessem de alguma forma realizar esse tipo de observação.

Marte é um lugar realmente estranho quando comparado à Terra. O ar mais rarefeito, a composição atmosférica diferente, as temperaturas mais frias e muito mais fazem com que ele se comporte de maneira realmente diferente do que estamos acostumados. Mas nos mostra do que outros planetas são capazes, o que amplia nosso conhecimento de como os ambientes podem interagir.

À medida que nossa própria Terra também muda, quanto mais entendermos sobre uma gama mais ampla de condições, melhor. Estudar Marte e os outros mundos do sistema solar pode nos ajudar a entender melhor nossa casa.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui