18.6 C
Paraná
quinta-feira, maio 23, 2024
InícioCiênciaJames Webb encontra buraco negro avermelhado

James Webb encontra buraco negro avermelhado

spot_img

O Telescópio Espacial James Webb (JWST) da NASA identificou um raro e “extremamente vermelho” buraco negro supermassivo espreitando em uma das regiões mais antigas do universo.

Astrônomos sugerem que o buraco negro carmim foi formado devido à expansão do universo apenas 700 milhões de anos após o Big Bang. Suas cores provavelmente são resultado de uma densa camada de poeira que bloqueia grande parte de sua luz.

Embora o monstro cósmico tenha sido tecnicamente descoberto no ano passado, os pesquisadores agora descobriram que ele é muito mais massivo do que qualquer outro objeto semelhante na área. Essa descoberta incomum poderia mudar nossa compreensão sobre como os buracos negros supermassivos crescem em relação às galáxias que os abrigam.

A equipe analisou dados coletados pelo James Webb, que observou um grupo de galáxias distantes no núcleo central do Cluster de Pandora, também conhecido como Abell 2744, cerca de 4 bilhões de anos-luz da Terra.

Graças à lente gravitacional, um efeito causado por objetos massivos que curvam o espaço-tempo ao seu redor, os astrônomos puderam observar galáxias ainda mais distantes além desse aglomerado.

“Lukas Furtak, co-líder da pesquisa e pesquisador pós-doutorado da Universidade Ben-Gurion, expressou entusiasmo com os primeiros dados do JWST, descrevendo a descoberta de ‘três objetos compactos, mas intensamente vermelhos’, que ‘se destacaram e chamaram nossa atenção’.”

Baseando-se na aparência desses objetos, Furtak e seus colegas concluíram que eram semelhantes a quasares, núcleos galácticos que emitem grandes quantidades de radiação eletromagnética devido à presença de um buraco negro supermassivo em seu centro, que consome gás e poeira próximos.

“A análise das cores indicou que não se tratava de uma galáxia em formação estelar típica”, disse Rachel Bezanson, co-líder do programa e astrônoma observacional da Universidade de Pittsburgh. “Juntamente com seu tamanho compacto, ficou evidente que era provavelmente um buraco negro supermassivo, embora ainda diferente dos outros quasares encontrados naquela época inicial.”

Medições detalhadas do desvio para o vermelho do objeto permitiram à equipe determinar sua massa. Segundo os cálculos, é extremamente massivo, potencialmente representando uma porcentagem significativa da massa de sua galáxia hospedeira em uma região compacta.

Essa descoberta levanta questões intrigantes sobre a relação entre o crescimento dos buracos negros e suas galáxias hospedeiras. O professor Adi Zitrin, co-líder do estudo, comparou essa questão ao dilema do ovo e da galinha na astrofísica, destacando a falta de compreensão sobre quais surgiram primeiro — as galáxias ou os buracos negros, e como eles cresceram ao longo do tempo.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui