24.2 C
Paraná
sábado, junho 22, 2024
InícioDestaquesJapão pode se tornar o segundo país a colocar...

Japão pode se tornar o segundo país a colocar botas na Lua

spot_img

O Japão quer participar do programa Artemis da NASA, que visa devolver os americanos à superfície da lua na próxima década. Embora a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA) tenha manifestado seu apoio ao programa há muito tempo, a medida pode levar um astronauta japonês a pisar na superfície lunar nos próximos anos. Se isso acontecer, o Japão se tornará a segunda nação a colocar uma pessoa na lua.

Um relatório da Kyodo News antes da visita do presidente Joe Biden a Tóquio para se encontrar com o primeiro-ministro japonês Fumio Kishida na segunda-feira revelou que os dois líderes anunciariam uma “ambição compartilhada” de ver o Japão ingressar no programa Artemis, visitar o Gateway lunar (um posto avançado planejado orbitar a lua) e pousar um astronauta japonês na superfície lunar em algum momento da segunda metade desta década.

A NASA confirmou a notícia esta semana em um comunicado após a viagem do presidente a Tóquio. “Estou empolgado com o trabalho que faremos juntos na estação Gateway ao redor da Lua e ansioso para que o primeiro astronauta japonês se junte a nós na missão à superfície lunar sob o programa Artemis”, diz Biden no comunicado. Os dois países e suas agências espaciais ainda estão discutindo os detalhes e finalizarão o acordo em um próximo Acordo de Implementação. A informação é do portal da Popular Mechanics.

Em 2017, a NASA estreou o programa Artemis, com o objetivo de pousar a primeira mulher e a primeira pessoa de cor na lua “usando tecnologias inovadoras para explorar mais da superfície lunar do que nunca”. A agência enviou astronautas pela última vez à Lua em dezembro de 1972, durante a missão Apollo 17. (De 1969 a 1972, o programa Apollo enviou 12 astronautas à lua.) Agora, 50 anos depois, a NASA diz que colaborará com parceiros comerciais e internacionais para estabelecer a “primeira presença de longo prazo na lua” e então usar esses aprendizados para ajudar a enviar astronautas a Marte.

O Japão está pronto para preencher esse papel de parceiro internacional. Em outubro de 2019, a agência espacial do Japão, JAXA, anunciou que se juntaria ao Reino Unido, Emirados Árabes Unidos, Canadá, Austrália, Itália e outros na assinatura e apoio aos Acordos de Artemis. (Ele assinou oficialmente o acordo em 2020.) A Colômbia é o último e 19º país a assinar os acordos.

Os Acordos de Artemis desencadearam outra rivalidade espacial para os Estados Unidos – desta vez não apenas com a Rússia, mas também com a China. Agora, porém, os EUA têm a ajuda de países em vários continentes.

“Estamos voltando à lua para descobertas científicas, benefícios econômicos e inspiração para uma nova geração de exploradores: a Geração Artemis”, afirma a agência no site do Programa Artemis. “Enquanto mantemos a liderança americana na exploração, construiremos uma aliança global e exploraremos o espaço profundo para o benefício de todos.”

A primeira etapa da missão, Artemis I, está programada para ser lançada ainda este ano e contará com um teste de voo sem tripulação da cápsula Orion e do foguete SLS. A cápsula viajará 280.000 milhas da Terra, milhares de milhas além da lua, e passará até seis semanas no espaço antes de voltar para casa.

A missão Artemis II de dez dias, com lançamento previsto para maio de 2024, transportará uma tripulação de astronautas ao redor da Lua e depois de volta à Terra. Será a primeira vez desde a última missão Apollo que os humanos deixaram a órbita baixa da Terra. A terceira missão Artemis, programada para 2025, enviará uma cápsula tripulada para acoplar ao orbitador lunar Gateway, que servirá como um centro internacional para a exploração lunar. (O Japão está planejando fornecer um dos módulos do posto avançado.) De lá, um par de astronautas tentará pousar no pólo sul da lua.

O Japão também tem planos de enviar seu próprio módulo de pouso, parte do Smart Lander for Investigating the Moon (SLIM), para a superfície lunar em 2023.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui