25 C
Paraná
quinta-feira, junho 13, 2024
InícioGeralLuas de Urano têm superfícies congeladas, abaixo delas podem...

Luas de Urano têm superfícies congeladas, abaixo delas podem conter oceanos

spot_img

Depois de reanalisar os dados da espaçonave Voyager e novos dados de computador, os cientistas da NASA chegaram à conclusão de que quatro das maiores luas de Urano provavelmente têm uma camada oceânica entre suas crostas e núcleos gelados.

Esta revisão, conforme indicado pela NASA, é rápida em detalhar o avanço dos cosméticos internos e o design de cada uma das cinco grandes luas – Ariel, Umbriel, Titânia, Oberon e Miranda.

Existem pelo menos 27 luas orbitando Urano, duas das quatro maiores são Ariel, que tem um diâmetro de aproximadamente 1.160 quilômetros, e Titânia, que possui um diâmetro de mais de 1.500 quilômetros.

Segundo a NASA, devido ao tamanho, cientistas há muito tempo supõem que Titânia seria a mais propensa a reter o calor interno do decaimento radioativo. Além disso, a maioria das pessoas acreditavam que as outras eram muito pequenos para manter o calor necessário para evitar que um oceano interno congelasse.

De acordo com o estudo publicado no Jornal de Pesquisa Geofísica, Titânia e Oberon poderiam suportar oceanos com menos de 30 milhas de espessura, enquanto Ariel e Umbriel poderiam suportar oceanos com menos de quase 29 km de espessura.

A principal autora do estudo, Julie Castillo-Rogez, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA no sul da Califórnia, afirma que as novas informações vão além do planeta e poderão influenciar como as futuras missões de investigação luanar serão.

Ela afirmou em um comunicado à imprensa: “Quando se trata de corpos pequenos, os cientistas planetários já encontraram evidências de oceanos em vários lugares improváveis, incluindo os planetas anões Ceres e Plutão e a lua de Saturno, Mimas”. Portanto, existem mecanismos de trabalho que não compreendemos totalmente. Este artigo investiga o que eles poderiam ser e como eles são aplicáveis aos muitos corpos no grupo de planetas próximos que podem ser ricos em água, mas têm intensidade interna restrita.”

As descobertas dos sobrevôos da Voyager 2 em Urano na década de 1980 e as observações feitas aqui na Terra foram revisadas pelos pesquisadores antes de chegar a essas conclusões.

Os autores do estudo puderam usar dados adicionais das espaçonaves Galileo, Cassini, Dawn e New Horizons da NASA para construir modelos de computador que forneceram informações sobre a química e a geologia das luas Enceladus, Plutão, Caronte e Ceres de Saturno. De acordo com a NASA, todas essas luas têm paisagens geladas que são aproximadamente do mesmo tamanho que as luas de Urano.

A NASA diz que, ao aprender mais sobre a composição dos oceanos, os cientistas também podem aprender sobre os materiais que podem estar nas superfícies geladas das luas, dependendo se os materiais abaixo da superfície foram empurrados pela atividade geológica.

A NASA diz que há provas baseadas em telescópios de que em algum lugar ao redor de uma das luas de Urano, Ariel, há materiais que fluíram para sua superfície, possivelmente de vulcões gelados, geralmente nos últimos tempos.

Além disso, Miranda, a quinta maior e mais interna lua, tem características relativamente novas. Isso sugere que poderia ter calor suficiente para manter um oceano em movimento.

Não obstante, a NASA diz que a modelagem térmica recente encontrada em Miranda provavelmente não terá facilitado a água por um trecho significativo, pois perde calor excessivamente rápido e possivelmente está congelado.

Castillo-Rogez afirma que ainda há muitas perguntas sem resposta sobre as grandes luas de Urano, e pesquisas adicionais são necessárias.

Ela afirmou no comunicado à imprensa: “Precisamos desenvolver novos modelos para diferentes suposições sobre a origem das luas, a fim de orientar o planejamento de observações futuras”.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui