18.1 C
Paraná
sábado, junho 22, 2024
InícioSaúdePor que nem todos devem tomar Paxlovid

Por que nem todos devem tomar Paxlovid

spot_img

O brasileiro está tendo dificuldade de fugir da Covid-19, muito por culpa da subvariante da Ômicron, a BA.5, que a cada dois meses está se dividindo em novas cepas e contaminando a todos, sem dor nem piedade.

O presidente dos Estados Unidos Joe Biden foi contaminado com a doença e estava fazendo um tratamento com antiviral da Pfizer, chamado Paxlovid, que minimiza a doença.

Mas esse novo remédio não é para todos neste momento, apenas para os pacientes com risco de complicações da Covid-19.

Como as pessoas com o sistema imunológico enfraquecido por problemas de saúde como asma, câncer, fígado doenças pulmonares, doenças cardíacas e obesidade.

O portal da Time explica que apesar dos benefícios para evitar o agravamento da Covid-19, o Paxlovid também vem com uma lista de possíveis reações adversas com medicamentos comuns, como estatinas para baixar o colesterol.

Como o medicamento não é aprovado pela Food and Drug Administration dos EUA, mas permitido sob uma autorização de uso emergencial, os médicos geralmente não podem prescrevê-lo fora dos critérios de autorização.

No entanto, isso não impede que pessoas de todas as idades e perfis de risco solicitem o Paxlovid, que passou de difícil de encontrar a muito mais acessível em apenas alguns meses.

De dezembro de 2021, quando o Paxlovid foi autorizado, até junho de 2022, as prescrições do medicamento saltaram de 2.500 para quase 1 milhão nos EUA, segundo dados da farmacêutica Iqvia.

Quem deve receber Paxlovid neste momento da pandemia?

Pessoas com maior risco se beneficiam mais
Estudos conduzidos pela Pfizer antes da autorização do Paxlovid descobriram que o medicamento reduz o risco de hospitalização e morte em até 89% entre pessoas não vacinadas com alto risco de resultados ruins do COVID-19.

Essa eficácia tornou-se menos impressionante à medida que a vacinação aumentou: os dados mais recentes da empresa mostram que Paxlovid é cerca de 57% eficaz em alcançar esses resultados em pessoas vacinadas com menor risco de doença grave, como aquelas que têm pelo menos um dos fatores de risco que aumentar o risco de doença grave por Covid-19.

Outros dados divulgados pela Pfizer em junho mostraram que o medicamento não reduz significativamente o número de sintomas entre pessoas com qualquer status de vacinação que correm risco moderado de doença grave, em comparação com aqueles que não o tomam.

“Esses dados mudaram a forma como vejo a medicação, que já foi aclamada como um divisor de águas”, diz o Dr. Anand Viswanathan, professor assistente de medicina da NYU Langone Health.

Mesmo depois que o medicamento foi autorizado pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA em dezembro de 2021, os suprimentos eram escassos, mas a administração Biden aumentou a conscientização e o acesso ao Paxlovid em março, anunciando o programa Test to Treat, que permitiu que as pessoas fossem testadas em locais como farmácias e receber uma receita na hora se der positivo.

A oferta do medicamento aumentou na primavera e passou de sub-prescrita (para reservar suprimentos limitados para pessoas de maior risco) para popular entre médicos e pacientes.

Em 7 de julho, a FDA expandiu ainda mais o acesso, permitindo que farmacêuticos licenciados pelo estado prescrevessem prescrições para qualquer pessoa com mais de 12 anos.

Com acesso aprimorado, alguns especialistas acreditam que o medicamento agora pode ser prescrito em excesso. Paxlovid ainda é um dos poucos tratamentos antivirais Covid-19 autorizados pelo FDA (outros incluem uma pílula chamada molnupiravir e remdesivir, uma terapia intravenosa), então as pessoas ainda estão pedindo.

“Provavelmente há alguma prescrição excessiva ou prescrição em pessoas de baixo risco”, diz o Dr. Amesh Adalja, acadêmico sênior do Johns Hopkins Center for Health Security e médico de doenças infecciosas.

Apesar da crescente popularidade do medicamento, para pessoas saudáveis ​​e sem alto risco de adoecer gravemente, há dados limitados que apoiam os benefícios de tomar antivirais como o Paxlovid.

“Para a pessoa média saudável – mesmo uma pessoa de 55 anos sem grandes problemas médicos – ela pode não se beneficiar e apenas reclamar do gosto ruim na boca”, que é um efeito colateral comum do Paxlovid, diz Adalja. “Você precisa voltar ao objetivo principal de prescrever Paxlovid: prevenir doenças graves, hospitalização e morte.”

Prescrição por idade
Mesmo para pessoas com sintomas que não têm outras condições de saúde, Adalja geralmente não prescreve Paxlovid, a menos que tenham 65 anos ou mais.

Esse é um critério comum que os médicos estão começando a usar. Mas não há regras rígidas e rápidas, mesmo quando se trata de idade.

O Dr. William Durkin, médico de emergência do Alvarado Medical Center, em San Diego, decidiu recentemente não prescrever Paxlovid a um paciente idoso que era saudável e não apresentava nenhum sintoma.

Para esses pacientes que não apresentam sintomas quando testam positivo, os médicos podem prescrever uma receita proativamente e dizer-lhes para entrar em contato se desenvolverem sintomas em um ou dois dias.

Como o Paxlovid é mais eficaz se tomado dentro de cinco dias após o aparecimento dos sintomas, ter a receita pronta pode garantir que as pessoas aproveitem a curta janela em que o medicamento funciona.

O futuro de Paxlovid
Usado corretamente, um antiviral como o Paxlovid pode ajudar a retardar a transmissão à medida que as variantes altamente contagiosas da Ômicron continuam a se espalhar.

“Temos trabalhado diligentemente com médicos, organizações comunitárias e o público em geral para conscientizar as pessoas de que esses medicamentos estão disponíveis e da importância de conhecer seus fatores de risco para doença grave de Covid-19”, diz a Dra. Mary Mercer, associada professor de medicina de emergência na University of California San Francisco e Zuckerberg San Francisco General Hospital and Trauma Center.

Ao limitar a quantidade de doenças graves nas comunidades, o medicamento é outra maneira de manter o vírus sob controle.

Caso surja uma nova variante que seja ainda melhor para evitar a proteção oferecida pelas vacinas e que cause doenças mais graves mesmo entre os vacinados, “Paxlovid pode se encontrar de volta ao papel de virada de jogo”, diz Viswanathan.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui