25.1 C
Paraná
quinta-feira, julho 25, 2024
spot_img
InícioCiênciaPorque as pessoas envelhecem mais rápido no espaço

Porque as pessoas envelhecem mais rápido no espaço

spot_img

O futuro da humanidade pode envolver chegar a um planeta diferente da Terra – mas primeiro as pessoas terão que sobreviver à jornada. É por isso que, em uma nova série de artigos, cientistas exploram o impacto da viagem espacial no corpo humano, da pele aos rins, das células imunológicas aos genes.

Quatro astronautas civis se permitiram ser pesquisados de cima a baixo enquanto circulavam em órbita baixa da Terra por três dias a bordo da missão SpaceX Inspiration4 de 2021 e, em seguida, retornavam às suas vidas normais. Uma das observações mais importantes foi que, embora seus corpos estivessem estressados e mostrassem sinais dramáticos de envelhecimento durante a jornada, 95% dos indicadores estudados retornaram ao normal dentro de alguns meses.

A exposição à radiação aparentemente causa a aceleração de doenças e danos às células “mesmo em três a cinco dias”, disse Susan Bailey, co-autora de muitos dos estudos e bióloga do câncer por radiação, em uma videoconferência. Bailey e outros cientistas já estudaram astronautas antes, mais notavelmente os gêmeos idênticos Scott e Mark Kelly, durante e após a maior parte dos 520 dias que Scott passou no espaço.

Mas esta coleção de estudos mostra o impacto da viagem espacial em mais pessoas e também em um grupo mais diverso, não apenas nas pessoas que podem passar pelo rigoroso processo de seleção da NASA. Hayley Arceneaux, por exemplo, uma assistente médica que atuou como diretora médica da missão, foi tratada de câncer aos 10 anos e foi uma das raras mulheres no espaço. Aos 29 anos, Arceneaux também foi a mais jovem viajante espacial de todos os tempos. Cada um dos quatro membros do Inspiration4 representava uma década de vida diferente e começou a fornecer o tipo de diversidade que será crucial para entender como a viagem espacial pode impactar pessoas de diferentes idades, status de saúde e com diferentes experiências de vida, disseram os pesquisadores.

“Realmente fornece a base à medida que pensamos adiante e de maneira mais futurista”, disse Bailey. Os artigos, acrescentou ela, encorajaram ela e seus pares a “pensar um pouco mais sobre o que realmente será necessário para as pessoas viverem no espaço por longos períodos, prosperarem, se reproduzirem. Como tudo isso vai acontecer?”

Bailey passou meses estudando a biologia dos viajantes espaciais. Mas a videoconferência foi a primeira vez que ela os viu cara a cara. “Estou familiarizada com seu DNA”, disse ela a Arceneaux e ao companheiro de viagem espacial Chris Sembroski.

Entender melhor os danos que se acumulam e como o corpo se adapta à viagem espacial também levará os pesquisadores a tratamentos e soluções, disseram Bailey e os outros dois co-autores na chamada, Christopher Mason, professor de genômica, fisiologia e biofísica, e Afshin Beheshti, especialista em bioinformática.

Além de doenças relacionadas à idade, os artigos revelaram outros problemas que os viajantes espaciais podem desenvolver, como cálculos renais. “Aqui podemos tratar isso, mas um cálculo renal a meio caminho de Marte, como você vai tratar?”, ponderou Beheshti em voz alta. “Isso não era debatido antes desses artigos”.

“À medida que começamos a desvendar algumas dessas coisas”, acrescentou Bailey, “melhoraremos não apenas nossa capacidade de lidar com a exposição à radiação, mas também abordaremos algumas dessas patologias relacionadas à idade, como doenças cardiovasculares, que certamente podem influenciar o desempenho dos astronautas em rota para Marte”.

Outra percepção: as mulheres parecem se recuperar mais rápido dos danos espaciais do que os homens, embora Mason tenha alertado que mais mulheres precisam ser estudadas para entender melhor o efeito e que a recuperação mais rápida pode vir à custa de um risco maior de câncer de mama e pulmão por exposição prolongada à radiação.

As lições aprendidas com os viajantes espaciais também poderiam ajudar as pessoas na Terra, disseram os pesquisadores. Aprender a manter as células seguras contra a radiação, por exemplo, pode ser transferível para ajudar a minimizar os danos em pacientes com câncer submetidos a tratamentos de radiação, disse Mason.

Novas medidas de proteção também poderiam ser úteis para pessoas expostas à radiação no trabalho ou em caso de um desastre em um reator nuclear, como o ocorrido na usina de Fukushima Daiichi no Japão após o terremoto de 2011.

Porque a viagem espacial acelera o envelhecimento, aprender a reverter ou desacelerar esse processo poderia “estender o período de saúde para nós, meros terrenos também”, disse Bailey. O novo estudo sobre pele, por exemplo, sugere abordagens que poderiam ser usadas para ajudar as pessoas a manter a aparência mais jovem por mais tempo.

“Há todo tipo de coisas que potencialmente poderiam beneficiar as pessoas na Terra”, disse ela.

A missão Inspiration4, que arrecadou US$ 250 milhões para o Hospital de Pesquisa Infantil St. Jude, também contou com algumas tecnologias experimentais para registrar informações médicas, incluindo um dispositivo de imagem por ultrassom portátil, smartwatches, um dispositivo de medição para verificar o alinhamento dos olhos e novos métodos para perfil do sistema imunológico, bem como outras células e moléculas.

Esses dispositivos e abordagens poderiam ser úteis em configurações distantes dos grandes centros médicos urbanos, disse Mason. Contar com civis em vez de astronautas da NASA também facilitou o estudo dos viajantes espaciais, que assinaram renúncias e não estão sujeitos a regulamentos governamentais, disse ele. Seus dados serão disponibilizados para outros pesquisadores.

Tanto Arceneaux quanto Sembroski, engenheiro de dados que trabalha para a empresa de tecnologias espaciais Blue Origin, disseram que adoraram o voo espacial e fariam de novo se tivessem a chance. Mas eles também esperam que muitos outros tenham a mesma oportunidade.

“Não veremos a civilização no espaço que queremos sem pessoas dispostas a compartilhar essa experiência”, disse Sembroski sobre compartilhar seus dados para pesquisa. “Foi divertido fazer parte disso.”

“Nossa missão teve, não apenas muito coração por trás dela”, acrescentou Arceneaux, “mas realmente queríamos causar um impacto científico.”

Arceneaux disse que não se importa com a marca deixada pela biópsia usada para estudar como sua pele reagiu à viagem espacial. “Eu amo minha cicatriz espacial!”, disse ela.

“Melhor que uma tatuagem”, respondeu Bailey.

A melhor notícia da pesquisa sobre Kelly e os viajantes do Inspiration4, disse Mason, é que “não há nenhum impedimento. Não há razão para não poder passar longos períodos no espaço.”

spot_img
spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui