17.7 C
Paraná
terça-feira, maio 21, 2024
InícioTecnologiaSatélites GPS podem detectar terremotos antes que aconteçam

Satélites GPS podem detectar terremotos antes que aconteçam

spot_img

O que os sismólogos chamam de precursor é uma peça crucial que falta para determinar quando um terremoto ocorrerá: uma impressão digital óbvia e única de um tremor sísmico que aparece antes do grande evento. Até este ponto, ninguém rastreou um precursor confiável; muitos cientistas estão céticos de que algum dia será descoberto.

No entanto, dois cientistas podem ter dado um salto na busca por um precursor. Supondo que estejam corretos, os terremotos podem revelar a presença por meio de estimativas de GPS, algumas horas antes de seus headliners separados.

“Pensado assim, isso permite que saibamos que fazer isso é concebível. É um passo enorme”, disse Quentin Bletery.

Bletery e o parceiro Jean-Mathieu Nocquet foram a um banco de dados para juntar informações. Em intervalos de 5 minutos, muitas estações registram suas posições GPS. Os cientistas agora podem detectar até mesmo os menores dos movimentos graças a essas observações. Bletery e Nocquet podiam ver nos dados do GPS quando o solo se movia.

Bletery e Nocquet examinaram as posições registradas das estações GPS em torno dos locais conhecidos de terremotos com magnitude de 7,0 ou superior nas 48 horas anteriores ao respectivo terremoto e como eles mudaram. Eles determinaram o quão bem o movimento ocorrido correspondia ao movimento que eles previram que cada tremor causaria.

Isso é o que os especialistas descobriram, nas últimas duas horas antes de um tremor, o movimento do solo freqüentemente começava a se alinhar com o movimento normal. Esse arranjo parecia se fortalecer à medida que a hora do tremor se aproximava. Quando Bletery e Nocquet observaram janelas de duas horas selecionadas aleatoriamente que, na maioria, não apresentavam terremotos, esse padrão, embora pequeno, normalmente não aparecia.

O movimento nessas últimas duas horas, então, pode conter os precursores que os sismólogos há muito procuram. Mas, mesmo com essa informação, os sismólogos estão longe de transformá-la em método de previsão de terremotos. Isso porque os instrumentos atuais não são nem de perto adequados para reconhecer esse movimento diante da realidade. Segundo Bletery, para detectar um precursor de um único terremoto, os equipamentos atualmente em uso precisariam ser 50 vezes mais sensíveis.

“Esse é um enorme buraco inovador”, diz Bletery. “Simplesmente ainda não temos a inovação para fazer isso.” Adicionar mais estações de GPS pode ajudar, e Bletery acredita que os pesquisadores devem fazer exatamente isso, mas não será suficiente por si só.

Bletery ainda acredita que é um sinal de progresso que pode interessar aos cientistas. No que diz respeito a alguém, diz ele, sua revelação prova que os terremotos não são eventos turbulentos e rápidos devido a falhas que se movem inesperadamente. Em vez disso, a visão de duas horas sugere que os terremotos podem ter componentes precursores que podem ocorrer antes que ocorram.

Além disso, seus resultados abriram diferentes questionamentos. O maior tremor que Bletery e Nocquet examinaram foi o terremoto Tohoku-Oki de tamanho 9,0, que trouxe uma torrente impressionante na costa leste do Japão em 2011. No momento em que inspecionaram as informações do GPS ao longo da costa do Japão, descobriram que os movimentos pareciam corresponder definitivamente ao longo de duas horas antes do tremor: em um ciclo que parecia ocorrer a cada 3,6 horas aproximadamente.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui