17.2 C
Paraná
quinta-feira, junho 13, 2024
InícioDestaquesSistemas de estrelas binárias semelhantes a Tatooine podem ser...

Sistemas de estrelas binárias semelhantes a Tatooine podem ser a chave para encontrar alienígenas

spot_img

Sistemas binários e multi-estrelas, geralmente compostos por duas ou mais estrelas que circulam uma à outra ou um ponto fixo, podem ser a chave para encontrar vida extraterrestre, de acordo com um novo estudo de pesquisadores da Universidade de Copenhague, na Dinamarca.

Os astrônomos há muito buscam estrelas semelhantes ao Sol e seus sistemas ao procurar no universo os blocos de construção da vida (as moléculas orgânicas que, quando unidas, formam aminoácidos e outras proteínas). Afinal, é o único tipo de sistema que sabemos que contém vida.

Mas observações nos últimos anos revelaram que metade dos sistemas estelares que contêm estrelas do tamanho do Sol são na verdade sistemas binários. Esses lugares podem ter a mesma probabilidade de abrigar os ingredientes para a vida, sugerem os pesquisadores.

Usando o telescópio Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) do Chile, a equipe observou NGC 1333-IRAS2A, um jovem sistema estelar binário a 1.000 anos-luz da Terra. A partir desses dados, eles desenvolveram uma série de modelos de computador que mapearam a evolução do sistema tanto para trás quanto para frente no tempo. O objetivo era simples: explorar como os planetas se formam em sistemas estelares binários.

“As observações nos permitem ampliar as estrelas e estudar como a poeira e o gás se movem em direção ao disco”, diz Rajika L. Kuruwita, pós-d0c do Instituto Niels Bohr em Copenhague, e um dos autores do estudo. declaração preparada. “As simulações nos dirão qual física está em jogo e como as estrelas evoluíram até o instantâneo que observamos e sua evolução futura.”

Os modelos revelaram que o disco protoplanetário – uma mistura agitada de gás e poeira ao redor das estrelas gêmeas – se comportava de maneira peculiar, acelerando e desacelerando em intervalos diferentes. A equipe conseguiu modelar o movimento do disco em detalhes incrivelmente granulares e descobriu que essas mudanças na velocidade ocorreriam aproximadamente a cada poucos milhares de anos, às vezes ocorrendo em menos de dez anos.

Isso acontece, supôs a equipe, porque o material gasoso e empoeirado é periodicamente sugado pela enorme força gravitacional das estrelas. À medida que o material acelerou em direção às estrelas, fez com que elas se aquecessem e, posteriormente, ficassem mais brilhantes. Isso, por sua vez, pode estimular um jato cataclísmico de energia que rasga o disco protoplanetário e altera drasticamente a evolução dos planetas – e seus constituintes moleculares – no sistema. Kuruwita e seus colegas publicaram a pesquisa no mês passado na revista Nature.

“Isso aumenta a importância de entender como os planetas são formados em torno de diferentes tipos de estrelas”, diz Jes Kristian Jørgensen, astrônomo também do Instituto Niels Bohr e um dos líderes do projeto, no comunicado. “Tais resultados podem identificar lugares que seriam especialmente interessantes para investigar a existência de vida.”

Em seguida, a equipe gostaria de agendar tempo em outros telescópios – incluindo o recém-lançado Telescópio Espacial James Webb (JWST); o maior telescópio óptico de todos os tempos, o Grande Telescópio Europeu (ELT) no Chile; e o Square Kilometer Array (SKA) da África do Sul e da Austrália – para observar o sistema estelar. Esses observatórios permitirão que eles vejam as moléculas orgânicas distantes (tanto presas no gelo quanto na forma de gás) com detalhes ainda mais minuciosos.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui