18.6 C
Paraná
quinta-feira, maio 23, 2024
InícioGeralStartup quer prover habitações espaciais

Startup quer prover habitações espaciais

spot_img

A Max Space está desenvolvendo uma série de habitats espaciais infláveis, com o maior deles podendo fornecer tanto volume interno quanto um estádio esportivo. Estes planos, revelados pela startup durante o 39º Simpósio Espacial na terça-feira (9 de abril), visam facilitar o difícil salto da nossa espécie para fora do planeta Terra.

Segundo Aaron Kemmer, co-fundador da Max Space, “O problema com o espaço hoje é que não há espaço habitável suficiente nele”. Ele explicou que, a menos que tornemos o espaço utilizável muito mais barato e muito, muito maior, o futuro da humanidade no espaço permanecerá limitado.

Kemmer co-fundou a Made In Space, uma empresa de manufatura fora da Terra, em 2010. A Made In Space enviou vários dispositivos de impressão 3D para a Estação Espacial Internacional (ISS) ao longo dos anos. A experiência com a Made In Space convenceu Kemmer de que os habitats expansíveis são o futuro. Ele mencionou uma das máquinas modificadas pela Made In Space para uso na ISS como exemplo.

Os habitats expansíveis, como o nome sugere, são lançados em forma comprimida para caber dentro de carenagens de foguetes, mas aumentam muito de tamanho quando implantados no espaço. Isso os torna muito mais eficientes em termos de volume em relação aos tradicionais designs de módulos de “lata de sardinha”.

Kemmer explicou que um habitat expansível com 100 metros cúbicos de volume pressurizado seria “pelo menos uma ordem de magnitude mais barato” do que um módulo metálico comparável. Ele observou que três protótipos de módulos expansíveis já estão em órbita terrestre.

Max Space, uma startup em operação há cerca de um ano, está comercializando a tecnologia da Thin Red Line Aerospace. A empresa já construiu um protótipo em tamanho real da primeira unidade de voo, que está sendo usada para testes em solo. O objetivo é realizar o primeiro teste fora da Terra em dois anos, com um lançamento compartilhado da SpaceX em 2026.

O módulo terá o tamanho de duas grandes malas quando comprimido, mas se expandirá para um volume pressurizado de 20 metros cúbicos quando implantado. Esta implantação estabelecerá um novo recorde para habitats expansíveis.

Após esse marco, a Max Space planeja lançar um módulo de 100 metros cúbicos em 2027 e um gigante de 1.000 metros cúbicos em órbita até 2030. Variantes ainda maiores poderiam ser lançadas posteriormente, a bordo do foguete megarretrátil Starship da SpaceX ou do veículo New Glenn da Blue Origin.

O objetivo é fornecer uma variedade de destinos a uma variedade de clientes, desde empresas farmacêuticas até estações espaciais comerciais e estúdios de cinema. A Max Space já garantiu contratos de clientes, incluindo da Força Espacial dos Estados Unidos.

Além de orbitar a Terra, a Max Space planeja expandir sua presença para a Lua e eventualmente para Marte, com o objetivo de ser uma peça-chave no estabelecimento da humanidade fora da Terra.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui