18.6 C
Paraná
quinta-feira, maio 23, 2024
InícioGeralA história dos chimpanzés que orbitaram a Terra

A história dos chimpanzés que orbitaram a Terra

spot_img


Há muitos heróis desconhecidos na história da exploração espacial. Um astronauta poderia andar pela rua sem ser reconhecido, e isso sem nem considerar os animais que pavimentaram o caminho para os voos espaciais humanos.

O Projeto Mercury da NASA começou seriamente em 21 de agosto de 1959, e alguns anos depois os astronautas estavam orbitando o mundo. Uma década depois, estávamos andando na Lua como se não fosse grande coisa. Houve um total de 20 missões de teste que levaram ao voo orbital histórico de John Glenn em 20 de fevereiro de 1962. Essas 20 missões foram em grande parte não tripuladas, mas duas delas transportaram chimpanzés, cujas contribuições foram fundamentais para o sucesso do programa espacial dos Estados Unidos.

É difícil de acreditar hoje, mas quando a exploração espacial estava começando, não estava totalmente claro se seres vivos poderiam sobreviver a uma viagem para fora do planeta. Para descobrir, os cientistas enviaram uma variedade de organismos, incluindo plantas, ratos, coelhos, macacos rhesus, macacos filipinos, macacos-esquilos, cães e macacos.

Yuri Gagarin pode ter se tornado o primeiro ser humano no espaço quando lançou a bordo do Vostok 1 em 12 de abril de 1961, mas ele não foi o primeiro hominídeo. Essa honra vai para um chimpanzé chamado Ham, que decolou para o espaço alguns meses antes, em 31 de janeiro de 1961. Ham lançou de Cabo Canaveral a bordo de um foguete Mercury-Redstone e alcançou uma altitude de 158 milhas enquanto realizava uma tarefa de puxar alavancas. Alan Shephard faria um voo muito semelhante, tornando-se o primeiro astronauta dos EUA no espaço, apenas alguns meses depois, em 5 de maio de 1961.

Ham experimentou 6,6 minutos de gravidade zero durante um voo de 16,5 minutos. Quando ele pousou no Atlântico, estava um pouco desidratado e cansado, mas caso contrário, em boa saúde. Em 1963, Ham foi viver no Zoológico de Washington, onde permaneceu até 1980. Depois, mudou-se para o Parque Zoológico da Carolina do Norte, onde permaneceu até sua morte em 1983. Seu esqueleto foi mantido para estudo contínuo e o restante de seus restos foram enterrados no Hall da Fama do Espaço Internacional, no Novo México.

Com os primeiros voos de chimpanzé (e humano) no espaço feitos, a NASA voltou sua atenção para colocar uma pessoa em órbita. Antes que a espaçonave Mercury e o foguete Atlas pudessem ser certificados para o voo humano, eles precisavam provar que podiam transportar um ser vivo para a órbita e trazê-lo de volta em segurança para a Terra. Foi aí que Enos entrou em cena.

Enos era um chimpanzé de 5 anos que lançou em órbita em 29 de novembro de 1961. Os controladores da missão haviam planejado originalmente um total de três órbitas, mas reduziram a missão para apenas duas devido a um problema de combustível durante o voo. Durante a missão, Enos foi monitorado do solo para garantir que ele permanecesse fisicamente saudável. Um problema com os controles ambientais durante a segunda órbita fez com que a temperatura de Enos aumentasse antes de se estabilizar assim que os controles voltaram a funcionar.

Após duas órbitas, a espaçonave caiu no Atlântico cerca de 200 milhas ao sul de Bermuda e foi logo recuperada. Enos sobreviveu à missão em boa saúde, embora aparentemente tenha passado parte do tempo de voo removendo os eletrodos e outros dispositivos de seu corpo.

Enos morreu cerca de um ano após completar sua missão, de uma disenteria não relacionada ao tempo no espaço. Apesar da morte trágica e prematura de Enos, foi apenas por causa de seu voo que a espaçonave Mercury e o foguete foram certificados e o envolvimento dos EUA na corrida espacial realmente decolou. Sem Enos, sem Ham e todos os outros, nunca teríamos chegado à Lua.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui