23.5 C
Paraná
quinta-feira, maio 23, 2024
InícioMundoAtaques à usinas nucleares são 'suicidas', alerta chefe da...

Ataques à usinas nucleares são ‘suicidas’, alerta chefe da ONU durante ataque próximo à usina de Zaporizhzhia, na Ucrânia

spot_img

Nova Délhi: Mais de quatro meses desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, agora foi acusada de usar a maior usina nuclear da Europa, a Zaporizhzhia, para bombardear e disparar foguetes no lado controlado ucraniano. A Rússia assumiu o controle da fábrica em março. Isso poderia terminar em um desastre muito parecido com o desastre da usina nuclear de Chernobyl em 1986, então controlada pela União Soviética.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu que os inspetores internacionais tenham acesso à usina nuclear de Zaporizhzhia, dizendo: “Qualquer ataque a uma usina nuclear é uma coisa suicida”. As palavras vêm dois dias após a comemoração do 77º aniversário dos bombardeios de Hiroshima, enquanto o de Nagasaki será marcado em 9 de agosto. Informação do portal India Head News.

Embora a Rússia tenha negado o lançamento de ataques a partir da usina, relatos da Ucrânia sugerem que caminhões militares foram vistos entrando e saindo da usina. A agência de notícias Reuters informou que especialistas dizem que é “altamente provável” que os caminhões estejam descarregando munição.

Isso ocorre quando o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) alertou que a situação em Zaporizhzhia “está completamente fora de controle” e está ficando mais perigosa a cada dia.

Ao mesmo tempo, Guterres falou do agravamento da situação, arriscando o uso de armas nucleares: “Espero que esses pedidos sejam levados a sério porque estamos testemunhando uma radicalização na situação geopolítica que torna o risco de uma guerra nuclear novamente algo que não podemos esquecer completamente.”

Armas Nucleares da Rússia
A ameaça atual de um desastre na usina nuclear é alta. Mas e a chance de um ataque real, a Rússia iria lá?

Em junho, um membro do parlamento russo, Alexei Zhuravlev, ameaçou os Estados Unidos com um ataque nuclear por fornecer apoio à Ucrânia. Ele disse à televisão estatal russa que “para destruir toda a costa leste dos Estados Unidos, são necessários dois mísseis Sarmat”. “E o mesmo vale para a Costa Oeste”, acrescentou. “Quatro mísseis, e não sobrará nada.”

O anuário 2022 do Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (SIPRI) sobre armamentos, desarmamento e segurança internacional diz que, em janeiro de 2022, a Rússia mantinha um estoque militar de aproximadamente 4.477 ogivas nucleares, cerca de 20 a menos do que a estimativa para janeiro de 2021.

A Rússia mantém o maior estoque entre todos os estados com armas nucleares, seguido pelos EUA com 3.708 no total.

Do estoque total que a Rússia tem, cerca de 2.565 são ogivas estratégicas ofensivas, das quais cerca de 1.588 são implantadas em mísseis balísticos terrestres e marítimos e em bases de bombardeiros. A Rússia também possuía aproximadamente 1.912 ogivas nucleares não estratégicas (táticas). Acredita-se que todas as ogivas não estratégicas estejam em locais de armazenamento central.

Curiosamente, a Rússia também recentemente, em dezembro de 2021, apenas alguns meses antes de invadir a Ucrânia em 24 de fevereiro, completou o rearmamento de seu primeiro regimento de seis mísseis RS-18 (SS-19 Mod 4) equipados com o veículo de deslizamento hipersônico Avangard (HGV) sistema. Estes foram instalados em Dombarovsky, oblast de Orenburg. A Rússia também está instalando mísseis equipados com Avangard a uma taxa de dois por ano em complexos atualizados com novas instalações, cercas e sistemas de defesa de perímetro Dym-2.

O relatório também diz que a Rússia planeja instalar os dois primeiros mísseis no segundo regimento Avangard em Dombarovsky em 2022 ou 2023 (a construção já estava em andamento em 2021), com todo o rearmamento do regimento programado para ser concluído até o final de 2027.

O Avangard é um veículo hipersônico com capacidade nuclear desenvolvido pela Federação Russa. Foi uma das seis armas de “próxima geração” descritas pelo presidente russo Vladimir Putin durante um discurso em março de 2018.

Olhando no contexto do mundo e seu estoque nuclear, das 9.440 ogivas nos estoques militares do mundo, cerca de 3.730 são implantadas com forças operacionais (em mísseis ou bases de bombardeiros). Dessas, aproximadamente 1.940 ogivas nucleares americanas, russas, britânicas e francesas estão em alerta máximo, prontas para uso em curto prazo, segundo a Federação de Cientistas Americanos.

Em setembro de 2020, o estoque de ogivas nucleares dos EUA consistia em 3.750 ogivas. O Reino Unido e a França têm algumas armas nucleares em níveis mais baixos de alerta que levariam mais tempo para serem lançadas do que as forças de alerta dos EUA e da Rússia, mas estão totalmente operacionais e implantadas. O relatório diz que os outros, com armas nucleares: China, Paquistão,1 Índia e Israel provavelmente não estão em alerta normalmente, e China e Índia têm uma política de não primeiro uso de armas nucleares em vigor.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui