25.1 C
Paraná
quinta-feira, julho 25, 2024
spot_img
InícioCiênciaComo se destrói uma galáxia?

Como se destrói uma galáxia?

spot_img

Até mesmo as galáxias, incluindo nossa própria Via Láctea, eventualmente encontrarão seu fim. Mas como ocorre o processo de morte de uma galáxia? Se você deseja destruir completamente uma galáxia, existem diversas opções, dependendo do nível de devastação desejado.

Opção 1: Despertar o buraco negro supermassivo

No centro de quase todas as galáxias reside um buraco negro supermassivo. No caso da Via Láctea, temos Sagitário A*, um monstro com massa superior a 4,5 milhões de sóis. Normalmente, esses buracos negros gigantes permanecem inativos, apenas sugando qualquer gás ou estrelas que se aproximem demais. Ocasionalmente, no entanto, eles se alimentam de grandes refeições. Quando isso ocorre, o gás gira ao seu redor e se comprime, atingindo temperaturas superiores a 1 bilhão de graus.

Essas temperaturas ridiculamente elevadas fazem com que o gás emita uma enorme quantidade de radiação que então inunda toda a galáxia, aquecendo quaisquer reservas de gás e impedindo a formação de novas estrelas. Embora geralmente as coisas se acalmem após esse episódio, nos piores casos, a radiação proveniente das vizinhanças do buraco negro pode simplesmente expulsar enormes quantidades de gás da galáxia por completo.

Isso não destrói totalmente uma galáxia, mas efetivamente a mata ao impedir a formação de novas estrelas por um período de tempo muito longo, às vezes para sempre.

Opção 2: Deixá-la cair em um aglomerado de galáxias

Os aglomerados de galáxias são as regiões mais densamente povoadas do cosmos, normalmente abrigo de milhares de galáxias. Mas esses aglomerados também contêm vastos reservatórios de um gás quente e rarefeito conhecido como meio intra-aglomerado (ICM).

O ICM é tão tênue que seria considerado vácuo nos laboratórios da Terra. Porém, quando as galáxias caem em um aglomerado, elas precisam atravessá-lo. Inicialmente, isso leva a uma breve onda de formação estelar, quando as ondas de choque comprimem as nuvens de gás por toda a galáxia. Eventualmente, contudo, a pressão do gás faz seu trabalho, arrancando pedaços de gás da galáxia como detritos expelidos de um meteorito.

Isso resulta em uma curiosa situação conhecida como “galáxias água-viva”, denominadas assim porque o gás removido se assemelha aos tentáculos desses animais. Embora a maioria das galáxias sobreviva à queda no ICM de um aglomerado, algumas menores acabam sendo completamente evaporadas.

Opção 3: Colidir com outra galáxia

As colisões entre galáxias representam uma das maiores liberações de energia no universo conhecido, e isso significa que não é um espetáculo bonito. Nossa própria Via Láctea colidirá com a galáxia vizinha Andrômeda em cerca de 5 bilhões de anos.

Um processo lento e doloroso que dura centenas de milhões de anos, as fusões de galáxias podem criar enormes caudas de marés, formadas por fluxos de estrelas e gases que são arrancados e arqueados ao redor das galáxias. Durante a colisão e fusão, incontáveis estrelas se perdem em interações aleatórias. E uma vez que os respectivos buracos negros supermassivos se encontram, uma nova onda de radiação atinge a galáxia recém-fundida. Toda essa devastação esgota as reservas de gás da galáxia, encerrando definitivamente a formação de novas estrelas.

Opção 4: Ser engolida por uma galáxia muito maior

Se uma galáxia menor se fundir com uma companheira muito maior, isso pode representar o fim da galáxia menor. De fato, o levantamento Gaia da Agência Espacial Europeia descobriu os restos e cadáveres de galáxias canibalizadas espalhados por toda a Via Láctea.

Um exemplo é conhecido como “salsicha Gaia”, uma coleção de estrelas dispersas ao redor do núcleo da Via Láctea que compartilham propriedades distintivas, como abundância de elementos pesados e parâmetros orbitais únicos, em relação ao restante da população estelar. Os astrônomos acreditam que as estrelas da salsicha Gaia são os restos dilacerados de uma pequena galáxia anã que foi absorvida pela maior Via Láctea.

Eles já identificaram dezenas de outras coleções, fluxos, aglomerados e remanescentes semelhantes – um sinal da violenta história de fusões de qualquer galáxia de tamanho considerável como a nossa.

Opção 5: Simplesmente aguardar

Eventualmente, o trabalho do tempo levará a cabo a destruição das galáxias. Essas entidades cósmicas são notavelmente estáveis, com muitas existindo há mais de 10 bilhões de anos. Mas nada é eterno.

Em um futuro muito, muito distante, quando o universo for muitas vezes mais velho do que é hoje, a galáxia resultante da fusão entre a Via Láctea e Andrômeda começará a se desmantelar. É simplesmente uma questão de acaso gravitacional. A maior parte do tempo, as estrelas permanecem muito afastadas umas das outras, mas ocasionalmente elas acabam se aproximando. Quando isso ocorre, elas executam uma espécie de dança gravitacional, sendo enviadas em novas direções. Muito raramente, uma estrela pode até ganhar energia suficiente para escapar da galáxia por completo.

Esse fenômeno é incrivelmente raro, mas após trilhões e trilhões de anos, torna-se inevitável. Eventualmente, tudo o que existe em nossa galáxia ou cairá em um buraco negro gigantesco ou será espalhado para o universo mais amplo. E essa será verdadeiramente o fim de nossa galáxia.

spot_img
spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui