23.5 C
Paraná
quinta-feira, maio 23, 2024
InícioCiênciaLua de Saturno traz dúvidas sobre existência de vida

Lua de Saturno traz dúvidas sobre existência de vida

spot_img

O oceano subterrâneo de Titã, e oceanos semelhantes dentro de outras luas geladas no sistema solar externo, podem não ter a química orgânica necessária para a vida, de acordo com uma nova pesquisa astrobiológica.

Titã é a maior lua de Saturno e a segunda maior lua de todo o sistema solar. É famosa por estar envolta em uma neblina de produtos petroquímicos e por possuir uma verdadeira sopa de moléculas orgânicas — moléculas que contêm carbono — em sua superfície. No entanto, apesar de toda essa química fascinante, Titã é fria. Muito fria. Ela tem temperaturas superficiais não mais quentes que -179 graus Celsius. E nessas condições gélidas, as reações químicas para a vida ocorrem muito lentamente.

No entanto, nas profundezas subterrâneas onde está mais quente — a profundidade exata não é certa, mas estimativas sugerem que seja da ordem de 100 quilômetros — é pensado que exista um oceano líquido com um volume 12 vezes maior que o dos oceanos da Terra combinados. Oceanos semelhantes habitam os interiores da lua Saturniana companheira de Titã, Encélado, e das luas de Júpiter, Europa e Ganimedes.

Uma cientista planetária, Catherine Neish liderou uma equipe internacional que contestou a suposição de que o oceano de Titã, e de fato os oceanos de outras luas geladas, poderiam ser habitáveis.

Os pesquisadores trabalharam com a premissa de que, para o oceano de Titã ser habitável, um grande suprimento de moléculas orgânicas da superfície deve ser capaz de alcançar fisicamente o oceano para facilitar a química pré-biótica que pode produzir e sustentar a vida.

A rota para que esse material orgânico chegue ao oceano é através de impactos de cometas. Tais impactos podem derreter o gelo superficial, criando uma poça de água líquida cheia de moléculas orgânicas. Como a água líquida é mais densa que o gelo, ela afunda. No entanto, a modelagem de Neish descobriu que a taxa de impactos não é alta o suficiente para que material orgânico suficiente alcance o oceano de Titã.

Por exemplo, a equipe de Neish estima que apenas cerca de 7.500 quilogramas do aminoácido mais simples, glicina, alcance o oceano de Titã a cada ano. Pode parecer muito, mas isso equivale à massa de um elefante africano macho espalhada por um oceano com doze vezes o volume dos oceanos da Terra combinados. Se me permite o trocadilho, é apenas uma gota no oceano.

“Assumimos que a maioria dos depósitos de derretimento — 65% — afundaria até o oceano”, disse Neish. “Trabalhos recentes de modelagem sugerem que isso é muito provavelmente uma superestimativa, mas mesmo neste cenário mais otimista, não há material orgânico suficiente se movendo para o oceano de Titã para sustentar vida lá.”

Pode haver outras possibilidades. Em Europa, onde há muito poucas moléculas orgânicas na superfície, postula-se que existam fendas hidrotermais no leito marinho, onde o oceano entra em contato com o núcleo rochoso da lua. Essas fendas expeliriam todos os tipos de moléculas e desencadeariam reações químicas complexas que poderiam sustentar a vida. Novas evidências de carbono no oceano de Europa foram descobertas pelo Telescópio Espacial James Webb. O JWST identificou dióxido de carbono que emergiu do oceano para a superfície de Europa.

Então, o mesmo poderia acontecer em Titã, com material orgânico vindo do interior da lua, em vez de sua superfície?

Neish não descarta essa possibilidade, dizendo que colegas como Kelly Miller, do Instituto de Pesquisa Sudoeste, estão investigando a possibilidade — mas Neish destaca uma ressalva em particular.

“Uma preocupação que surgiu é se os orgânicos provenientes do interior seriam úteis para a vida”, disse ela. “Achamos que eles podem ser principalmente compostos aromáticos, e é difícil formar biomoléculas — como aminoácidos — a partir desses compostos.”

Embora ainda estejamos um pouco distantes de poder investigar os oceanos dessas luas geladas diretamente para dizer com certeza se contêm vida ou não, a pesquisa de Neish levanta algumas oportunidades promissoras para a missão Dragonfly da NASA a Titã, na qual Neish é co-investigadora.

Dragonfly é uma missão de helicóptero, inspirada em parte pelo helicóptero Ingenuity Mars, que está planejado para ser lançado em 2028 para chegar a Titã em 2034. Ele explorará a lua pelo ar, pousando para coletar amostras para análise. Se o trabalho de Neish estiver correto, significaria que pode haver muitos locais de impacto na superfície onde a água líquida se misturou com materiais orgânicos, possivelmente desencadeando alguma química complexa antes de congelar novamente e afundar. Ao estudar esses locais, os cientistas poderiam aprender mais sobre a química pré-biótica que levou à formação da vida na Terra.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui