23.5 C
Paraná
quinta-feira, maio 23, 2024
InícioGeralPiá de 13 anos constrói raio da morte usando...

Piá de 13 anos constrói raio da morte usando diagrama do inventor Arquimedes

spot_img

Lendas sobre a genialidade do inventor e matemático grego Arquimedes eram tão poderosas que, por séculos, muitos estudiosos acreditaram que ele fosse capaz de usar espelhos para incendiar navios romanos há mais de 2.000 anos.

Um estudante do ensino médio canadense, Brenden Sener, projetou um projeto para a feira de ciências para ver se tal feito era possível com uma versão em miniatura do raio da morte.

Embora ele não estivesse tentando incendiar nada, ele descobriu que sua configuração — que incluía lâmpadas de calor e espelhos — aumentava significativamente a temperatura do alvo.

Com base nos resultados de seu projeto, o jovem de 13 anos concluiu que Arquimedes poderia estar no caminho certo. “Se fosse ampliado e com uma fonte de calor forte o suficiente, definitivamente seria possível”, disse.

Sener se interessou primeiro pelo famoso matemático depois de ver a “rosca de Arquimedes” em um documentário. Ele fez um projeto anterior para a feira de ciências baseado nesse dispositivo, que é frequentemente usado em irrigação.

“Devido a Arquimedes ser um inventor tão incrível, decidi pesquisar mais sobre suas invenções”, disse ele. Foi então que ele descobriu o chamado raio da morte.

Durante o cerco de Siracusa entre 214 e 212 a.C., um general romano, Marco Cláudio Marcelo, tentou invadir a ilha da Sicília.

Um historiador do século XII escreveu que, ao “inclinarem um tipo de espelho em direção ao sol”, Arquimedes “queimou toda a frota romana”. O escritor, Joannes Zonaras, baseou a descrição em escritos de um historiador anterior, de alguns séculos após o cerco.

Em seu modelo reduzido, Sener usou lâmpadas de aquecimento para representar o sol. Pequenos espelhos côncavos refletiam a luz sobre um pedaço de papelão com um “X” marcando o alvo.

“Foi apenas uma versão menor do mais próximo que consegui chegar na vida real”, disse ele.

Um termômetro infravermelho mediu o aumento de temperatura cada vez que Sener adicionava um espelho. Com uma lâmpada de 100 watts, o primeiro espelho aqueceu o alvo em cerca de 9 ºC.

Adicionar um segundo e terceiro espelho aumentou a temperatura em 3 a 4 graus, enquanto o quarto espelho a elevou em 27 graus para 53ºC.

Sener supôs que o raio da morte de Arquimedes não era impossível se tivesse usado muitos mais espelhos e uma fonte de calor mais quente.

Muitos outros tentaram recriar o raio da morte com diversos níveis de sucesso.

O programa de TV “Mythbusters” enfrentou o raio da morte de Arquimedes três vezes e nunca conseguiu fazê-lo funcionar. Em 2005, um professor do MIT incendiou um barco de madeira com a técnica, mas apenas uma vez.

Mas o raio da morte tem capturado a imaginação por séculos.

O filósofo René Descartes o achou implausível em 1637. Mais de 100 anos depois, o estudioso Athanasius Kircher foi a Siracusa para descobrir quão distantes os barcos romanos estariam. Em 1747, Georges-Louis Leclerc, Conde de Buffon, que era um naturalista francês, tentou seu próprio experimento com espelhos.

Em 1973, um engenheiro, Ioannis Sakkas, decidiu que a história era plausível porque usou espelhos revestidos de bronze para incendiar madeira coberta de alcatrão em apenas alguns minutos.

Mas, como Sener apontou, os barcos em movimento são alvos muito mais difíceis. A cobertura de nuvens, a distância da costa e a umidade da madeira poderiam afetar a eficácia da técnica.

Cientistas e historiadores apontaram que Arquimedes tinha outras armas à disposição que eram menos exigentes e mais econômicas. Alguns sugeriram canhões a vapor ou misturas incendiárias como formas de queimar os navios romanos.

Os gregos também podem ter usado espelhos para deslumbrar os marinheiros. As superfícies reflexivas e os barcos em chamas podem ter se confundido nos séculos seguintes, possivelmente criando o mito de um raio da morte.

Seja o que tenha acontecido com Arquimedes, Sener tem mais orgulho do prêmio que ganhou da Biblioteca Pública de Londres por inspirar o interesse dos estudantes em ciência e tecnologia.

“Eu realmente gostei de fazer isto”, disse ele.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

hot news

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui